terça-feira, 12 de junho de 2018

Não me ames; foge de mim!

 

 
Não me ames,

Foge de mim!

Porque os que amo

Chegam ao fim…

 

Não me ames,

Foge de mim!

Foge depressa!

A vida é assim…

 

Não me ames,

Ouve o clarim!

Em canto fúnebre,

Trompa em marfim…

 

Eu amo-te!

E, vais partir…

Afasta-te

Que vais sentir

 

Próximo o fim.

Foge, foge,

Foge depressa!

Foge de mim!
                                         «»        
                                                    Zélia Chamusca

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Viver é o maior bem


 

Há quem ame tanto a vida

Mesmo não sendo abonada,

Porém, quando é bem vivida

O tudo surge do nada!

 

A vida é tudo o que temos

Sem ela não temos nada

A morte nós a tememos

É carne aos vermes dada!

 

Não deixes passar a vida

No vazio do teu ser.

Agarra-a bem preenchida

P’ra que a possas bem viver

 

Feliz por tê-la vivido,

Única oportunidade,

Bem maior e merecido

Vivê-la é felicidade!

 

Apenas de ti depende

Ser feliz, de mais ninguém.

Não desanimes, entende

Que viver é o maior bem!

 

Breve passagem é a vida;

Não a deixes passar em vão…

Antes que chegue a partida

Agarra-a bem com a mão!

                 «»
                                Zélia Chamusca



Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

                     

domingo, 3 de junho de 2018

Está tudo a postos


 
 
Está tudo a postos

P’ra recomeçar

A haver tantas mortes

E ao crime voltar

 

Eles estão nervosos

De amarras presos

Estes criminosos

Que matam indefesos

 

Têm tudo pronto

P’ra recomeçar

  lembra a um tonto

O mato incendiar

 

No ano passado

Em Maio começou

A ser torturado

 E não mais parou

 

Estão atrasados

Para a destruição

Estes malvados

Sem coração

 

Os povos que vivem

Entre a natureza

Ainda sobrevivem

Não têm defesa

 

À espera estão

De poder fazer

A vida de então

De pleno prazer

 

Mas a destruição

Ainda persiste

E nesta ação

O crime insiste

 

Entre os sem vergonha

Que têm poder

Não há quem se oponha

E os mande prender

 

Até a Natureza

De tão assustada

Com sua beleza

Já está  abalada

 

Está a chorar

Lágrimas de sangue

Porque vai voltar

Tudo a estar exangue

 

Teme o criminoso

Negócio perder

Com o crime odioso

Que não vai render

 

Nosso Deus Senhor

E a Mãe Natureza

Lágrimas de dor

Choram de certeza

 

Mas este Senhor

Os condenará

É o Salvador

Que entre nós está

              «»

                Zélia Chamusca

                     2018-06-03

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Quem mata até Deus ofende


 

 
 
 
 
 
No meu País democrático

Querem a morte assistida,

Só ideia de lunático!

Quem mata é homicida!

 

Querem matar, mas o pobre

P’ra não estar a padecer,

Pois o rico, esse não sofre;

Estamos todos a ver…

 

São cuidados, bem cuidados

Com cuidados paliativos,

Da vida não estão cansados

Todos querem estar vivos!

 

Na Assembleia, estão vendo:

Quem votou a seu favor

A eutanásia defendendo

Como remédio p’ra a dor?

 

Mas, para eles não querem

Que lhes encurtem a vida

Sofrer eles bem preferem

A antecipar a partida.

 

Se todos somos iguais

Em direitos, porque então

Cada dia vejo mais

O que uns têm e outros não?

 

Quem a eutanásia defende

É criminoso em potência.

Quem mata até Deus ofende

Por tanta, tanta demência!

 

É crime que tira a vida

Seja ela curta ou longa

Ao pobre encurta-se a vida

E ao rico tornam-na longa…

 

Esta é a democracia

Que temos em Portugal

Em que só por ironia

Se defende tanto mal!

                «»

              Zélia Chamusca

                   2018-05-30