domingo, 30 de dezembro de 2018

Verdade, mito e magia do Ano Novo


  Por Zélia Chamusca
 
O Ano Novo insere-se no contexto temporal das festividades do Natal que o antecede com o nascimento de Jesus, não se sabendo ao certo quando nasceu é celebrado a 25 de Dezembro. Trata-se de uma festa religiosa celebrada, em todo o mundo, pelos cristãos.
 As festividades natalícias terminam, em Portugal, a 6 de Janeiro, dia de Reis, dos Reis Magos que, na verdade, não eram reis, mas apenas, magos que teriam profetizado a vinda do Messias, Jesus, que defendeu os pobres, libertou os presos e os oprimidos, recuperou a vista aos cegos, defendeu a mulher adultera e, tendo cumprido a Sua Missão, deixou-nos uma Mensagem de Amor. Disto nos falam as escrituras. Na verdade, Jesus foi um defensor do pobre, do indefeso, e, por isso, foi pelo Poder Romano morto na cruz ladeado por dois ladrões também condenados e mortos.

Jesus foi Homem e Espírito Superior que, no cumprimento da Sua Missão, repito, nos deixou  uma Mensagem de Amor:  

 “Eu vos dou um mandamento novo: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros” (João 13,34).


O Natal é envolto em mistério, mito e verdade. Mas, não irei falar nisso, porque o tema aqui pretendido é “verdade, mito e magia do Ano Novo”.


A Verdade do Ano Novo
A ciência da astronomia diz-nos que o Ano Novo é um recomeço do percurso dum ciclo completo da Terra, em torno do sol, no seu movimento de translação (e, simultaneamente, de rotação em torno do seu eixo) que tem a duração de 365 dias e mais umas 5 horas e alguns minutos. Esta duração não é exatamente igual em todo o mundo, é, meramente, convencional. Em Portugal e na maioria dos países que seguem o calendário Gregoriano de origem europeu, começa a 1 de Janeiro e termina a 31 de Dezembro.
 
Esta é a verdade, a realidade científica do Ano Novo que é recomeço, renovação manifesta na própria natureza e, consequentemente, o reinício da calendarização.
 
Todo este recomeço é culturalmente envolto em infindáveis mitos e superstições variáveis face à cultura especifica de cada sociedade, sendo a celebração festiva do acontecimento, começo de um novo ciclo, Novo Ano, revestida de imensa magia em todo o mundo.
 
É uma festa de luz, de cor, de som, de alegria, de beleza, a sinestesia mais perfeita que se poderá descrever.
 
Toda a festividade do Ano Novo, festa do fim de um ciclo e recomeço de outro, do movimento da Terra em torno do sol, com tanta beleza, cor e alegria é assente em mito e magia.
 
Mito e magia
O Ano Novo é entendido culturalmente, em todo o mundo, como o começo de uma nova era.  É o mito da transformação magicamente esperada.
 
É o pensamento coletivo de que tudo vai mudar para melhor, sem nada termos feito para isso, mas, apenas, por pura magia. Por exemplo: 
 
Se eu me vestir de branco irei ter paz, se me vestir de amarelo irei ter dinheiro, se comer romãs serei afortunada, se comer frutos secos, nozes, figos, e as doze passas de uva exatamente à meia-noite, terei um Novo Ano cheio de prosperidade. E se beber champanhe, todos os males do ano velho serão afastados, etc., etc.
 
Existem imensos mitos conforme a cultura do povo que celebra este acontecimento meramente astronómico, da passagem de um ciclo a outro.
 
Como já referi no artigo anterior que escrevi “O Mito do Natal”, o mito é suposto ser uma verdade absoluta quando se trata de um acontecimento religioso. Ainda hoje, nos nossos dias, assim é. Sendo o Ano Novo a continuidade das celebrações natalícias, consideradas verdadeiras porque sagradas, tudo o que, culturalmente nos foi transmitido vai sobrevivendo através dos séculos, porque, repito, cultural e religioso. Tudo o que é religioso nunca é visto aos olhos da racionalidade, mas sim da fé.São dogmas e, estes aceitam-se ou não se aceitam. A maioria aceita, porque é o poder da cultura. É a cultura que constituindo um fenómeno de socialização confere à pessoa a humanidade. 
 
Porém, toda esta festividade não é mais que uma alienação momentânea em que se esquece tudo e se brinca e se diverte porque é festa!
 
 A superstição de que tudo vai ser melhor sem nada fazermos para isso, não é mais que a Magia do Ano Novo, é o que se pensa, mas nada acontece contrariando as leis naturais esperando que a magia aconteça.  Não se muda o mundo por a Terra recomeçar o seu movimento de translação à volta do sol, ou afastarmos todos os males se brindarmos com espumante, ou concretizarmos os nossos sonhos comendo frutos secos; mas sim, concretizá-los-emos e mudaremos o mundo se tivermos trabalhado para isso e seguido Jesus na Sua Mensagem e,  se não conseguirmos amar os outros, comecemos por nos amarmos a nós próprios porque se não nos amarmos a nós próprios nunca poderemos amar alguém.

Lembremo-nos que o Amor é a fonte de todo o bem.
 
Santo Agostinho diz-nos:
 
“Ama e faze o que quiseres, porque desta raiz só pode nascer o bem”
 
Tenha um Feliz Ano Novo

                                                                    Zélia Chamusca

                                                                                  Ano Novo de 2019

 Fonte de imagem - Google

domingo, 23 de dezembro de 2018

Que presente Lhe vais dar






 
Os clarins estão tocando

Lindos anjos a cantar

Os reis magos vão chegando

Seguem a estrela a brilhar.

 

Eles levam seus presentes

Vão o Menino adorar

E tu, que esta festa sentes

Que presente Lhe vais dar?

 

O Menino vai nascer

P’ra Sua Mensagem nos dar

Todos vamos aprender

Como nos vamos amar.

                  «»

                             Zélia Chamusca
                                 Natal de 2018
Fonte de Imagem - Google

sábado, 8 de dezembro de 2018

O Mito do Natal


 
por  Zélia Chamusca 
                                 

No século XIX o mito era tudo o que se opunha à realidade, ou seja, fundamentava-se numa história fictícia passada, “in illo tempore”, em tempos remotos.

Por exemplo: a história da criação do ser humano, isto é, a criação de Adão e Eva, contida no livro primeiro da Bíblia, o Génesis; e, o mais antigo tratado da mitologia grega, a Teogonia que significa criação dos deuses, de Hesíodo, grande poeta contemporâneo de Homero, século VIII a.C., em que narra a criação do mundo a partir dos primeiros deuses, são mitos fictícios, acontecimentos fabulosos, não reais.

Do mesmo modo para o cristianismo primitivo tudo o que não tinha fundamento lógico, racional, era considerado falso: era uma fábula. Porém, o estudo dos etnólogos levou-os a refletir sobre esta herança semântica resultante da polémica cristã e do mundo pagão, passando o valor do mito a ser considerado a própria fundamentação da vida social e cultural de um povo. Ora, um  facto que se nos depara desde o inicio, para estas sociedades primitivas,  é que o mito era suposto ser uma verdade absoluta enquanto narração de um acontecimento sagrado.

E ainda hoje, repito, o mito é suposto ser considerado, nessas mesmas sociedades, como a verdade absoluta, porque conta uma história sagrada, ou seja, uma revelação transcendente que ocorreu na aurora do tempo. É uma narrativa lendária que corresponde à tradição cultural de um povo que explica a origem do mundo e de toda a natureza, não pelo pensamento, pela razão, ou pela inteligência, mas, explica-a através do apelo ao sobrenatural e, ao misterioso e, tratando-se de uma história sagrada é considerada real, verdadeira.

Ora, sendo uma história real e sagrada o mito torna-se exemplar e passível de repetição porque serve de modelo e justificação ao comportamento humano seguindo ações exemplares de um deus ou herói passadas em tempos remotos.

Dá-se assim uma inversão de valores, seguido pelas sociedades tradicionais e nas nossas ditas sociedades modernas; o que era considerado fictício passou a ser verdade absoluta quando se refere a uma história sagrada.

Aplicando este estudo ao caso vertente, o mito do Natal, o nascimento de Jesus, enviado de Deus, que veio ao mundo para nos ensinar a amar, que bom seria que adotando um comportamento mítico seguindo Jesus, tornássemos este mito do Natal num verdadeiro mito.

A realidade, porém, não é esta quando há corpos jazendo no chão, pela crueldade humana; gente a viver na rua ao frio, à chuva, ao vento; trabalhadores explorados vivendo em condições sem dignidade e, no mundo, crianças a morrer de fome, enquanto 1% da população detém 80% da riqueza mundial.(1)

Só quando existir no mundo uma cultura universal em que todos comunguem dos mesmos valores e usufruam,  da mesma riqueza dos bens da terra criados por Deus, isto é, só quando o mundo for de todos os humanos, assim, poderá haver Natal.

Este Natal que os cristãos festejam é mero mito, real fantasia, em que alguns vivem inebriados por breves dias.

É a festa do Natal!

É Natal de gastos supérfluos para alguns enquanto a maioria, mesmo nas sociedades ditas desenvolvidas, vivem em condições mínimas de bem-estar, pela falta de solidariedade, de falta de amor, de fraternidade, onde paira o egoísmo, a corrupção, o mal, a exploração do ser humano!

Tudo isto faz com que surjam movimentos isolados de crueldade e revolta que ninguém quer compreender que é porque não há Natal!

Só haverá Natal quando ouvirmos a palavra de Jesus:
Eu vos dou um mandamento novo: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros (Jo 13,34).
 
 

                                                                                     Zélia Chamusca

                                                                                           Natal de 2018


 1  -   https://observador.pt/2018/01/22/relatorio-1-da-populacao-ficou-com-80-da-riqueza-mundial/

domingo, 2 de dezembro de 2018

É poeta quem tem garra


 

É poeta quem tem a garra

Em viver cada momento

E ter arte no que narra

Falando com sentimento

 

É saber cantar o amor

E ao abrir o coração

Sentir também quando há dor

Com sentimento e paixão

 

E ter presente a coragem

De viver e ser feliz

Na arte bela da linguagem

Por dizer sempre o que quis.

                  «»

                        Zélia Chamusca


Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

sábado, 24 de novembro de 2018

Os meus sonhos


                                          

Os meus sonhos são

da cor da pureza

com tanta beleza

que o meu coração,

de encanto e emoção,

se transcende ao céu

de estrelas brilhantes

e tão cintilantes…

 

Um céu diferente

de beleza e estética,

primordial ética,

cheio de valores

e de imensas cores

que se misturam

numa sintonia,

de plena magia

na  sinestesia

da luz e calor

que brota do Amor!...

 

Estes são os meus sonhos…

São o meu grande encanto

 e que eu amo tanto!...

              «»

                   Zélia Chamusca

 
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Sou eu assim...


 

Do todo me lembro

e no nada revivo

em cada momento

sentido,

sofrido…

 

Do todo da vida

em parcelas dividida:

Fragmentos de encantos,

contentamentos

e tormentos

vividos,

sentidos…

 

O todo e o nada

que é tudo

sempre presente em mim,

inerente a mim.

Sou eu assim…

         «»
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

domingo, 18 de novembro de 2018

A ningém há que igualar


                         


Eu não tenho ar de santa,

Pois, sou uma comum mortal,

Mas, um não sei quê que encanta

Faz de mim bem desigual.

 

É único todo o ser,

Diferente, singular;

Faz o que deves fazer

A ninguém há que igualar.

 

Todos temos por missão

Construir a nossa vida

Mesmo em qualquer situação

Diferente ou parecida.

 

É uma regra universal

Que não deves esquecer:

Que qualquer ser, afinal,

Tem que a sua vida fazer.

                  «»
Poema de -  Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google
 

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Lágrimas secas


 

São lágrimas secas

No rosto espelhadas.

Correm entre sulcos

Ao peito levadas.

 

De sabor a mar,

Lágrimas salgadas

Que por entre as ondas

Correm enlutadas.

 

Com  tristeza e dor,

No vazio perdidas,

Vagueando errantes...

Lágrimas sentidas...

 

Lágrimas de sangue

Que só eu as sinto,

Pelo outono secas

Num inverno faminto

 

De luz e calor,

No frio sepulcral,

Tétrico, vazio,

Onde há tanto mal!

               «»

                          Zélia Chamusca

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Há sempre um renovar em cada dia



 

Sou aquela que no mundo de ninguém

passeia pelo sol, luz a brilhar,

em rodopiar sempre num vai e vem

na vida que passa e nunca parar!

 

Sou nuvem leve que se esvai no vento,

gota de água em salpicos fragmentada

saindo do olhar  num breve lamento

como se fosse pedaço de nada…

 

O Nada é tudo na vida levada,

é o renascer continuo da alvorada,

é a luz dinâmica da energia!

 

Sou aquela que na manhã nevoenta

se levanta e a certeza acalenta

que há sempre um renascer em cada dia!

                               «»
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem -Google
 


 

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

O que é a terceira idade?


 
 
A terceira idade é pobreza;

não tem idade a nobreza…

Há velhos, velhos pobres

e há outros que, embora velhos,

nunca são velhos,

são os “gurus” do saber,

que aparecem em todo o lado…

 

Estes são os seniores do passado…

São senhores, são doutores…

 

Só os pobres envelhecem,

e, são marginalizados,

espoliados, maltratados…

São os trapos da sociedade!

 

Os ricos não envelhecem…

Aparecem por todo o lado

com o corpo enrugado,

mas, repletos de atenção,

por todos bajulados,

prestigiados…

São seniores sabedores!

 

O que é a terceira idade?

 

Porque é que a sociedade

se aproveita da idade

só do pobre, negativamente?

 

O que é a terceira idade?

 

A discriminação é tal,

de tal forma discriminatória,

tão ilusória…

Que não passa de falsa oratória!

 

A terceira idade é o velho

que joga às cartas no jardim;

A velhinha que pede esmola

e leva na mão a sacola

com a côdea de pão

que sobrou da refeição

fornecida pela caridade

da injustiça da sociedade!

 

Esta velhinha terá sessenta anos.

É velha enrugada, esfarrapada,

pela sociedade maltratada

e, marginalizada…

 

E os que dormem na rua?

Que são jovens, mas velhos,

jovens velhos,

ignorados pela crueldade

da cega sociedade,

cruel, dura e desumana,

de mentalidade insana,

que egoistamente nega

ao que cai na marginalidade,

toda a possibilidade

de viver com dignidade!

 

Contudo há velhos, velhos ainda mais,

de oitenta anos e noventa e tais,

ricos poderosos famosos,

no mundo gloriosos!...

Estes, nunca atingem a terceira idade…

São os seniores da sociedade,

enrugados, bem vestidos

e bem tratados,

sabedores afamados!

 

Estes não têm idade!

Estão em multinacionais

que gerem, em lugares de cúpula

e desdobrando-se em tantos mais…

São mestres, que ganham milhões

 ficando mais pobres

 os pobres velhos, sem tostões…

 

O que é a terceira idade?

                                                             «»
                                                                          Zélia Chamusca

 

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Toda a natureza em cinzas jaz!

 



Continua a triste imoralidade

Nas chamas do inferno já ressequida!

Não há na Terra tranquilidade

Porque a sensatez já foi esquecida!

 

Por todo o lado paira a destruição

Feita p’los demónios vindos do inferno!

Da natureza e de toda a criação

Restam as cinzas p’lo mal sempiterno!

 

Toda a natureza queimada jaz,

No mortífero aquecimento global,

Pela destruição que o homem é capaz!

 

Não há responsáveis; é maldição…

Quem causa na Terra, assim, tanto mal?

Almas penadas… Não têm perdão!

                             «»
 
Poema de -Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google