domingo, 28 de agosto de 2016

Felicidade arrebol


                                             

 





É praia privada

em que me exponho

e fico bronzeada

dourado de sonho

 

Miro-me vaidosa

por me sentir bela

assim tão graciosa

como uma donzela

 

Toda toda nua

toda por igual

à noitinha a lua

é minha rival

 

A rivalidade

contagia o sol

com a f´licidade

que paira arrebol

 

E neste embalar

das águas prateadas

me passo a mirar

de costas voltadas

 

À  inveja que à volta

se rói rói  rói e rói

de tanta revolta

que nada constrói

 

A inveja assim é

de nada é capaz

cada um é como é

há quem nada faz

 

A não ser querer

o que os outros têm

sem querer saber

como eles o obtêm

 

Só o trabalho honesto

trás felicidade

nada conta  o resto

só importa a vontade

 

É preciso ter

força de vontade

p’ra poder vencer

com honestidade!

           «»
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Onde o olhar se perde


             
 
 
Neste oceano imenso perco o meu olhar

Além do horizonte eu quero chegar

P’ra o imaginário poder desvendar.

 

A luz do sol nas cristalinas águas

De pequenas ondas fugazes, fátuas,

Leva nela todas as nossas mágoas.

 

E os  seus raios descendo sobre o mar

Parecem querer nele mergulhar

Para as profundezas iluminar.

 

As gaivotas sobrevoam de contentes

Os salpicos de prata reluzentes

De beleza suprema omnisciente.

 

Lá longe navega uma nau pequena

Na cristalina água tão calma e amena

Onde o olhar se perde e a alma acalma e serena.
                    
         


 
 
Poema de -  Zélia Chamusca
Fonte de imagem -Google