domingo, 31 de julho de 2016

Carta de amor para si




 







Meu Amor,

Nesta sua ausência

Em todos os dias você

Foi minha convivência.

 

Em todas as manhãs

Eu para si escrevi,

Dizendo-lhe o que senti

E que meu coração sente

Consigo, sempre presente.

 

Sua presença virtual

É muito mais real

Que o real.

 

Se eu tivesse presente

Seu corpo,

Nele me envolveria

E por sua aura tão iluminada

A minha alma cegaria

E tombaria

Fulminada.

 

Assim, te conheço

Na tua forma mais transcendente

De que eu sou consciente

E que está

Para além das emoções,

Das paixões.

 

Te conheço na tua essência,

Continuamente,

Na minha vivência,

No meu sentir.

O que me transmite

Tua alma para mim a sorrir.

 

Sinto,

Que somos semelhantes

Na nossa rebeldia,

Na nossa fantasia,

Na nossa magia,

No nosso querer

E no querer ser,

E, sobretudo,

Somos amantes…

 

Você entende,

Meu Amor?

Sei que entende

Porque,

Entre nós existe

A afinidade,

A cumplicidade

Cultural

E emocional

Que fazem nosso querer

De um ao outro

Igual…





 






Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google


sábado, 23 de julho de 2016

FUI




 

Fui
Força e vigor
Donde brotou um grande amor
Que tudo fez gerar
Pela  conceção do verbo amar!
 

Fui
A imensa e esfusiante  alegria
Que adocicou e iluminou a vida,
Intensa e plena de encantamento,
Em cada momento!
 

Fui
A rosa mais perfumada,
Entre todas as flores procurada,
Na longa caminhada
Em cada momento projetada
E sempre concretizada
Pela sensibilidade  traçada!
 

Fui
Um mundo de aventura,
De fantasia e de alegria,
De paz em solitude,
Caminho de plenitude
No sonho concretizado
Pelo amor sublimado!
 

Fui
Como uma grande heroína
Que no cume do Evereste,
Depois da escalada,
De louros  foi  coroada!
 

Fui
Tudo para quem me fez sentir,
Num permanente devir
De plenitude e realização
Uma  mulher  concretizada
E a mais amada!
                   «»

Poema de    -     Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

sexta-feira, 15 de julho de 2016

CONHECES?





                     Conheces?                      
Aqueles dias em que apetece partir e ficar;
Aqueles dias em que temos tudo e não temos nada;
Aqueles dias em que nada falta e tudo falta;
Aqueles dias em que nos sentimos neste mundo real?

Conheces?
Este mundo hipócrita, de falsidade, hedonista;
Este mundo de ambição, de corrupção, frio;
Este mundo de crueldade, sem piedade egoista;
Este mundo amoral, desumano,  gélido, vazio?

Este é o mundo em que, agora, vivemos…

Conheces?
Aquele mundo em que, agora, nos encontramos sós;
Aquele mundo em que despertámos e nos criámos;
Aquele mundo que já  não é nosso, nem dos nossos avós;
Aquele mundo em que crescemos felizes e brincámos?

Conheces?
Aquele mundo solidário e fraterno;
Aquele mundo de   elegância e gentileza
Aquele mundo era, contudo, real...
Aquele mundo de fascínio e de beleza?

Lembras-te deste mundo?
Um mundo cor-de-rosa, de sonho e fantasia
Em que nos vestíamos de requinte esvoaçante
E ao som do piano rodopiávamos na sinestesia
E na magia das luzes, num chá dançante...

Aquele mundo em que nos encontrávamos à tarde,
Nos dias quentes de verão,  sentados numa esplanada,
Conversávamos e, lentamente, nos íamos refrescando
Enquanto degustávamos  uma fresca carapinhada.
Falávamos de filosofia, de literatura,
De cinema, de teatro, de arte, de cultura!

Hoje, não se dança  a valsa no requinte dum salão
Ao som do piano nas noites  quentes de verão
Nem se fala de filosofia e de literatura,
De teatro, de cinema, de cultura…

Este foi o mundo real em que vivemos…
E, agora é, apenas, sonho e fantasia de poeta…

                                   «»

                                             Zélia Chamusca

domingo, 3 de julho de 2016

Marcelo Homem Invulgar


 


 
Marcelo, Homem invulgar,

Surpreendes-me a cada passo.

És único, singular

Com o afeto do teu abraço.

 

Com todos gostas de estar

Próximo, entre multidões,

P’ra poder comunicar

E partilhar emoções.

 

Do país para todos falas

Esclarecendo razões

E nunca a verdade calas

Conciliando as opiniões.

 

A todos nos ensinaste

O valor do entendimento.

Confesso, me fascinaste

Transmitindo ensinamento.

 

És pedagogo e estratega,

Que em qualquer lugar o sejas,

Fazendo da missão entrega,

                                    Sempre onde quer que tu estejas.

 

És verdadeiro cristão

Entre os mais enfraquecidos

Que antes foram exclusão

Sendo p’lo mal atingidos.

 

És mesmo bem diferente

Doutros teus antecessores,

És o nosso Presidente

Digno de muitos louvores!

                   «»
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google