terça-feira, 26 de janeiro de 2016

A Dor da Alma Ardendo em Brando Lume




São lancetadas de flechas sem gume
Que trespassam o coração sangrando
E a dor da alma que ardendo em brando lume,
O corpo, tronco seco, vai queimando…

É dor forte, permanente, sem tréguas,
Que, implacavelmente, leva à loucura…
Vagueando p'lo deserto sem fim, léguas…
Na busca dum refúgio de clausura!

Mas, quando surgir o nascer da aurora
Brilhará a chama, em meu corpo, latente,
Coberto com o afago de ti ausente…

P’la seiva de um beijo doce de amora,
Que dentro de mim possa florescer,
Esperarei até tarde ao anoitecer!
                          «»

                                  Zélia Chamusca




Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google                                      


4 comentários:

  1. Estou comemorando 11 anos de blog.
    È tempo demais dedicado a essas pessoas lindas de Deus
    que fui conhecendo ao longo dessa caminhada.
    Deixei um mimo na postagem se for do seu agrado
    leve ficarei feliz.
    E ficarei feliz da mesma forma se ñ levar eu entendo.
    Meu eterno agradecimento pelo seu carinho e atenção
    mesmo em momentos muitas vezes triste.
    Você estava lá marcando sua doce presença.
    Um carinhoso beijo.
    Um abençoado final de semana.
    Deus abençoe por tudo.
    Evanir...
    Amada esta tudo bem contigo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evanir,

      Eu estou bem graças a Deus.
      Grata por sua presença com suas agradáveis palavras.
      Deixei no seu blog o comentário abaixo:

      "Olá, Evanir,

      Muitos parabéns pelo seu blog e peço a Deus que lhe dê muita saúde para durante muitos anos de vida poder manter esse maravilhoso blog.
      A sua presença é muito importante e muito agradável para todos os que a visitam neste cultural espaço onde paira a sensibilidade e o humanismo que parte de si e como o Padre Fábio e Melo nos transmite no texto aqui postado que me faz pensar e refletir sobre as minhas, por vezes, exigentes posturas relativamente a meus amigos. Efetivamente todos temos defeitos e devemos compreendermo-nos e perdoarmo-nos uns aos outros.

      Força! Querida Evanir, para vencer todo o mal e que este ano de 2016 seja repleto de saúde e amizade.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  2. Sempre linda, tua poesia.
    "P'la seiva doce de um beijo de amora".
    Destaco esse doce verso.
    Parabéns, nobre poetisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata, Minha Querida Poetisa Monica Pamplona pelo seu agradável comentário. Fico feliz por ter apreciado esta inspiração que a Musa me transmitiu.
      Beijinho, mas, não de doce de amora...

      Eliminar