quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Liberdade Implica Responsabilidade




Jean Paul Sartre é o fundador do existencialismo ateu com a obra L'Être et le Néant, O Ser e o Nada, escrita em 1943.

Segundo a sua doutrina, o existencialismo ateu, a existência precede a essência, contrariamente à dos anteriores existencialistas cristãos que defendem que a essência precede a existência. 

Esta essência primeira pressupõe a existência de um Deus, Essência.  Deus é Essência, é princípio e fim de tudo, mas, para Sartre, Deus não existe (dizem), antes, ele põe de parte a existência de Deus para justificar a sua doutrina existencialista, o existencialismo ateu.

Segundo Sartre, como atrás referi, a existência precede a essência, ou seja, o homem primeiro existe e só depois vem a ser, isto é, se define ao longo da sua vida enquanto responsável por ela e por todos os seus atos através da liberdade, da liberdade de escolher e decidir. E ao fazê-lo torna-se responsável por ele próprio e pelo mundo.

Pretendo, apenas, realçar, aqui, que o existencialismo sartriano concede importante relevo à responsabilidade. O homem (o humano)  é o único responsável pelas suas escolhas, pelas suas decisões, ou seja, somos nós que respondemos pelos nossos próprios atos e que somos responsáveis pelas consequências das nossas decisões.

Cada uma das nossas escolhas ou decisões provocam mudanças, no nosso projeto pessoal e no mundo, que se tornam imutáveis.  Assim, perante a liberdade que temos em escolher ou decidir tornamo-nos, não apenas, responsáveis por nós próprios,   mas também, por toda a humanidade.

Poderemos interpretar no contexto  da liberdade que implica responsabilidade a célebre frase de Sartre -  “O homem tem o peso do mundo às costas”. É exatamente porque o homem tem a liberdade de escolher e decidir ou simplesmente,  não decidir, que tem o peso da responsabilidade pelo que acontece no mundo.

Feita esta breve exposição sobre a temática central da obra L’Être et le Néant  falo-vos da influência que teve na minha personalidade o  estudo ou, mais propriamente,  a análise e reflexão, (pois a filosofia não se estuda; pensa-se), desta importante obra pela qual sempre me senti fascinada e marcada na minha forma de ser, de pensar e de agir.  
Esta obra, L´Être et le Néant, foi por mim lida, pensada, refletida e trabalhada tendo o referido trabalho sido apresentado ao Professor Catedrático, Oswaldo Market,  meu Professor no 2º. ano de Filosofia, na Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa.

Digo-vos, sem presunção que o Professor, Oswaldo Market, disse-me:  muito bem, vejo que pensa, pois, existem muitos comentários sobre a obra mas não traduzem o pensamento de Sartre.

Talvez venha, ainda, a publicar este o meu trabalho universitário a que aqui me refiro.

A partir da análise e reflexão sobre o pensamento de Sartre, toda a minha vida tem sido marcada por este grande pensador cuja doutrina  incutiu em mim grande parte da força, persistência e tenacidade que possuo.

Esta doutrina da liberdade enquanto responsabilidade marcou-me  de tal forma que nunca deixo de incentivar os outros a que se determinem, que se definam, essencializem, através de sua força interior, no sentido do ser e do ter. Só depende de nós virmos a ser o que gostaríamos de ser e de ter.

Não podemos, porém, cruzar os braços à espera que as coisas aconteçam, não, temos que trabalhar para isso, para o que queremos ser e queremos ter e, sobretudo, para o que queremos ser no mundo. 

Sartre diz-nos, ainda, que à custa de querermos ser acabamos por ser. Incute-nos determinação, força para viver e ser.

A minha vida tem sido pautada por esta determinação e força de viver, fruto  não só do conhecimento filosófico, mas, fundamentalmente, do saber de experiência feito, o saber vivido.

Pensemos nisto e saibamos ser mais, ser mais humanos, mais justos e solidários para que vivamos num mundo melhor, de paz e fraternidade.

                                                                                                                                                                                                                                        Zélia Chamusca

Sem comentários:

Enviar um comentário