quinta-feira, 25 de junho de 2015

Quem me dera voar para ao céu subir!

 



Voar como um pássaro livre eu queria
p’ra subir ao céu infinito sem fim
e senti-lo  num clima de estesia,
ao som dos anjos num toque de clarim!

Quem dera ser pássaro e não sentir
a dor forte que corrói dentro de mim
e, apenas, doce chilrear poder ouvir
entre pétalas de flores carmesim!

Quem dera encontrar a felicidade
e no encanto do amor poder viver;
o que não encontro nesta sociedade…

Quem dera poder voar e não sentir
os erros humanos que me fazem sofrer…
Quem me dera voar para ao céu subir!
                        «»

                                           Zélia Chamusca


Fonte de imagem- Google

6 comentários:

  1. Uma alma de poeta como a da Zélia, não tem barreiras. Tem o céu por limite, por isso as asas estão aí...é só abri-las ao sol e deixar que vento a empurre bem para o alto...Belíssimo poema, adorei, como sempre. Beijinho (Paula)

    ResponderEliminar
  2. Só da sensibilidade de uma Grande Poetisa como Paula Homem pode brotar um comentário tão inteligentemente belo. Grata e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Zélia,belo canto,sublime voo ..Te abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marcia Portella, Querida Grande Poetisa de Além Mar,
      É bom e necessário voarmos, mesmo sabendo que não chegaremos ao céu, mas, na certeza de que sonhamos, e sentimos a felicidade embora na fantasia de breves momentos. Fico feliz com a sua presença. Grata e beijinho, ZCH

      Eliminar
  4. Poema bem inspirado, que a mim, um triste terráqueo, com dores de calos, me faz desejar elevar-me, não como ave, mas num pequeno drone para de lá do alto poder alertar os responsáveis pela gestão do mundo para a forma de evitar os riscos de se meterem em lamaçal, pântanos ou crateras de vulcão e terem cuidado ao atravessar a rua para se deixarem libertar das teias obscuras do sistema financeiro e passarem a olhar para a vida das pessoas que precisam de ter mais qualidade, em paz, harmonia e espírito de equipa, de ajuda mútua, em confiança e respeito pelo próximo, o vizinho.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A João Soares, escreveu um belo poema.
      Muito grata pela sua visita que enriqueceu e adornou este espaço.
      ZCH

      Eliminar