domingo, 10 de maio de 2015

Depois da Euforia



Depois da euforia
de exuberante alegria,
o encontro da realidade,
saudade…

A sensibilidade
à flor da pele,
a autenticidade,
o encontro consigo mesmo
no desencontro em que se encontram
o pensamento e a alma,
numa acalmia
em que a ironia
apaga a fantasia
da comédia teatral
que confunde o real,
e, a realidade
acorda adormecida
na angustiante saudade…

             «»
                   Zélia Chamusca



Fonte de imagem - Google

4 comentários:

  1. Este poema está bastante bom
    Pedro Valdoy

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Pedro Valdoy,
      Há tanto tempo que não o vejo...
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  2. Traços muito interessantes da definição da saudade angustiante.Falar de saudade constitui uma confissão de desgosto com o presente conflituoso e doloroso,uma fuga para momentos idos,mais felizes e alegres. Será um gesto de revolta contra a crise? Mas quando a dor é forte o sedativo é solução.A saudade é uma dor que nos repassa o íntimo peito,mas que dá prazer.Um refúgio ameno.
    AJS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quão difícil omitir o sentimento da saudade no lirismo poético quando ela, a saudade, foi a raiz do Saudosismo, movimento literário, essencialmente poético, da atividade renascentista, na literatura portuguesa, introduzido por Teixeira de Pascoais, um dos maiores expoentes da lírica portuguesa.
      Muito grata, Ilustre Amigo, A. João Soares por seu comentário que muito ilustra este espaço.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar