terça-feira, 28 de abril de 2015

Pobre do Pobre mais Pobre



                                  



Pobre do pobre mais pobre
que todo o mal ele passa
pobre do pobre mais pobre
tão grande é a sua desgraça.

Pobre do pobre mais pobre
com fome tristeza e dor
pobre do pobre mais pobre
ninguém ouve o seu clamor!

Pobre do pobre mais pobre
que não se pode bastar
pobre do pobre mais pobre
que não tem onde ficar.

Pobre do pobre mais pobre
vive na rua escorraçado
pobre do pobre mais pobre
sem um lar e aprisionado.

Pobre do pobre mais pobre
na praça pública excluído
pobre do pobre mais pobre
numa vida sem sentido.

Pobre do pobre mais pobre
que do maior monstro depende
pobre do pobre mais pobre
que  a sua  força não o defende.

Pobre do pobre mais pobre
no mundo sem ter lugar
pobre do pobre mais pobre
que nem Deus irá salvar!
                 «»
                          Zélia Chamusca
                              


 Fonte de imagem - Google

6 comentários:

  1. Existe uma pobreza contra a qual se pode lutar. E outras onde não há armas para fazê-lo. As ruas nos mostram o quão grande está a pobreza. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É assim, Marilene, e os ricos cada vez mais ricos.

      Grata por sua presença e beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  2. Da pobreza eis que surge poema riquíssimo em lirismo a nos inquietar quando diante do "pobre mais pobre".
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cadinho Roco,

      Muito grata pelo seu agradável comentário a meu simples poema que de poesia nada tem. Transmite, apenas, uma triste realidade que paira no mundo gerada pelo desumanismo dos que exercem o poder sobre os mais fracos.

      ZCH


      Eliminar
  3. Se há local onde não há pobreza é aqui!
    Este é um campo onde a riqueza das palavras, dos sentimentos, impera. Um olhar atento e profundo sobre tudo o que a rodeia.
    Como sempre belas palavras e mais um poema incisivo e pleno de verdade. Parabéns POETISA da Vida.
    Beijinho de luar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Poetisa,Paula Homem, in Luar Perdido,

      Meu Luar Encontrado,
      A riqueza da sua sensibilidade e a profundidade das palavras fascinam-me.
      Meu reconhecimento e gratidão,
      ZCH

      Eliminar