domingo, 9 de novembro de 2014

Apenas imaginário


  
Vives no meu imaginário
Em momento fugaz
De fraternidade e de paz.
O mundo te produziu assim.
Fazes parte de mim
Numa perfeita dicotomia
Em completa ataraxia.

Soltas-te do meu subconsciente
Num percurso permanente
Na busca de paz e tranquilidade,
De amor e fraternidade,
Que, finalmente, num desdobramento
De encantamento,
Em êxtase de plenitude,
E suprema virtude,
Encontro, apenas, no meu imaginário,
Em momento fugaz
De fraternidade e de paz.

                «»
                    
                                Zélia Chamusca


6 comentários:

  1. Gosto e desejo que os momentos de fraternidade e de paz sejam mais duradouros e até,se possível duradouros.
    E assim se criaram as religiões politeístas!!!.É bom ter um ídolo que nos inspira e dá energia, mesmo que apenas no imaginário, no subconsciente. Mas a vida é feita de passos pelas vias por vezes tortuosas da realidade. Há que conjugar os vários momentos,,os melhores e os menos nos bons.
    Beijo
    A João Soares

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ilustre Sr. A. João Soares,
      Não esperava este comentário de si a um poema deste teor.
      Facto que me leva a pensar que A. João Soares além de estar a render-se à poesia, é filósofo, pensador já é desde sempre.
      Traduzi um momento que se repete frequentemente e que é um lenitivo para a vida, não obstante ser imaginário.
      É sempre agradável imaginarmos o Bem mas devemos estar sempre atentos e não nos deixarmos adormecer no sonho (aqui o imaginário) porque quando acordarmos poderá ser tarde.
      Mas, é como diz:
      "Há que conjugar os vários momentos, os melhores e os menos bons".
      É verdade, pois é neste equilíbrio que nós nos elevamos e valorizamos o Bem que existe na realidade.
      Muito grata pelo seu incentivante comentário e tenha um dia feliz.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  2. Apenas no imaginário encontramos perfeição, ainda que não a busquemos. Já nos satisfazem os momentos de paz e tranquilidade, que desejamos cheguem à vida real. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Marilene, mesmo quando nos momentos de evasão, no encontro com o imaginário, sentimos a felicidade e a paz embora por breves instantes, reforçamos as energias positivas tão necessárias no confronto com a realidade.
      Grata por seu comentário e felicidade para si.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  3. En esos momentos de encuentro con nuestro imaginario nos sumergimos en un espacio sin acotar y sin límites que nos permiten conocernos mejor a nosotros mismos.
    En esa subconsciencia encontramos esos momentos de Paz y de Armonía que tanto necesitamos y unimos utopía con realidad en un estrecho lazo del propio imaginario.
    Precioso y Profundo Poema.
    Abraços e Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Pedro Luis López Pérez,

      O seu comentário é tão profundo e precioso quanto o meu poema que muito bem interpreta o que é bastante incentivante para mim.
      Muito grata e beijinho,
      ZCH




      Eliminar