domingo, 23 de março de 2014

Consumatum est






Vai ser mesmo memorável
Este tratado do trio
Na divergência insanável!
Parece mentira… Rio!

Eu rio porque é preciso
Tanta besteira aguentar
É tanta a falta de ciso
Nesta gente a falar!

Estão os três no mesmo embalo
Todos querem o poder
Contentes que é um regalo
São os mesmos a vencer.

Agora é que cantas tu
Depois cantas tu mais eu
O rei vai nu! O rei vai nu!
O esperado aconteceu!

O povo está condenado
P´los que a crise originaram.
O tratado foi assinado
Mas os dois bem se calaram.

Finou. “Consumatum est”
O tratado orçamental
Que saiu dum cafajeste
Para salvar Portugal!

Pensa o trio que nos engana,
Mas, só não vê quem não quer
Que todo e qualquer sacana,
Apenas, o poder ele quer!

É assim, que ele engana o povo,
O trio que já se formou,
Não fará nada de novo;
O tratado ele assinou!
               «»

                    Zélia Chamusca



Fonte de imagem - Google

4 comentários:

  1. Será que o povo actual,de 2014 será igual ao de há três anos que confiava em discursos falsamente optimistas e se deixou saquear dos seus direitos adquiridos e garantidos por cláusulas dos diplomas que os criaram.E entretanto aumentou a fauna do Governo,com centenas de assessores sem mérito,pois os resultados da governação não evidenciaram nem reforma do Estado com cortes de gorduras nem cortes de despesas de ostentação,inúteis e criadoras de défices acrescidos..E as mordomias? com carros, telemóveis, viagens, etc. etc.? E,em cada eleição,agrava-se o dilema:em quem votar? quem tem dedicação democrática a Portugal para merecer o voto? Como encontrar resposta para estas dúvidas se eles são contidos numa embalagem opaca,chamada lista? Como salvar esta situação anómala?
    Espera-se que a geração que está a meio da vida activa faça algo para preparar o seu futuro num Portugal democrático com justiça social,ou igualdade de oportunidades.Mas aparece um sinal ameaçador: os estudantes mostram ausência de interesses pelos assuntos sociais e colectivos. Veja-se a notícia http://www.noticiasaominuto.com/pais/192679/estudantes-menos-participativos-em-momentos-de-viragem-politica

    ResponderEliminar
  2. Olá Ilustre Sr A. João Soares,

    Há muito pouca inteligência neste país acompanhada de egoísmo, corrupção, desonestidade e mais.
    Claro que estes irão votar no mesmo como vem acontecendo há 40 anos, ora cantas tu, ora canto eu, ora cantas tu mais eu (que é o que está a acontecer na situação atual) não há mais em quem votar.
    Têm medo de quem? Eu tenho medo, isto é, o que me atemoriza é ter que continuar a ser espoliada por gente desonesta e incompetente que destruiu o país pela má gestão dos dinheiros públicos. É isto que me atemoriza! Eles não são roubados. Uns fogem ao fisco e vêm a ser premiados com benefícios fiscais, aos patrões reduzem-lhes os impostos e outros são corruptos e vivem de negócios sujos e da desonestidade, não esquecendo os que o Tribunal não julga nem condena deixando os processos prescreverem (depois pagamos nós os milhões que os ladrões roubaram). Para estes está tudo bem. Os criminosos, os assim tratados pelo governo que se governa, são os funcionários públicos e reformados que são a despesa do Estado. O que eles roubam e roubam as reformas aos reformados, enchendo-se, que entram com uma mão à frente e outra a trás e saem ricos com o nosso dinheiro. Isto não é despesa do estado.

    Quanto aos estudantes, não lhes falta nada. Andei eu a trabalhar para eles, e ainda ando a trabalhar para dar dinheiro a alguns. Mas, de mim não falo aqui em público. Eles não sabem o que é trabalhar! Nada lhes custou nem custa a não ser terem que emigrar. Quando eu andei na UCL cheguei a fugir à polícia. Os estudantes tinham vida política ativa e protestavam e chegavam a interromper as aulas para discursos políticos e os professores calavam-se para todos ouvirmos. Isto era no tempo do dito fascismo.Mas, agora é que é fascismo porque no tempo do dito fascismo eu tive a liberdade de crescer e de ser e de ter por mim própria com a minha capacidade de estudo e de trabalho e honestidade e nunca ninguém me roubou nada. É agora na fantasiosa democracia que é DITADURA injusta e cruel dominada por ditadores corruptos desumanos e desonestos!

    Grata por sua presença que muito enriquece este espaço de abertura, transparência e honestidade,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Não resta dúvidas, que somente a intervenção do povo porá ordem na casa.
    Chegará o momento que todos compartilharão na mesma direção.
    Teu poema/critico deixa transparente a revolta de um tratado assinado. E pelos comentários, o pouco que entendi parece que os governantes já estão a muitos anos exercendo o poder!
    Cada vez mais me surpreendo com o comodismo do povo português... Mas aqui no Brasil a coisa não é muito diferente, felizmente os estudantes estão bem mais participativos junto ao povo. Apesar da calmaria do momento. Sinto-me como se estivesse sentada em cima de um barril repleto de pólvora, no qual basta apenas uma fagulha para explodir! Fagulha essa que poderá ser acesa durante os jogos da Copa Mundial.
    Excelente como sempre Zélia.

    ResponderEliminar
  4. Olá, Monica!

    Infelizmente existe corrupção em todo o mundo e exploração dos mais fracos pelos ricos(que, aliás, são ricos porque exploram o pobre e, os pobres, pobres porque explorados pelos ricos) ou pelos que querem ser ricos por este meio desonesto e desumano.
    No Brasil e noutro qualquer país o comportamento dos cidadãos, das pessoas, é diferente, são arrojados e lutam; aqui são moles,cordatos, protestam, protestam, mas, vivem numa ditadura nunca vista a sonhar que estão em democracia só porque, por enquanto, podem protestar, embora já se esteja a sentir que não é bem assim.... Em breve chegará o dia em que têm que "comer" e calar...
    Eu nunca pensei viver numa sociedade destas, em que se perderam os valores que me ensinaram a seguir e que determinaram a minha conduta na vida.
    Grata por sua presença e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar