sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Deuses do Olimpo façam de Portugal um País puro e limpo!

















Oh! Deuses do Olimpo,
Saiam do vosso Palácio de Cristal,
Desçam do Olimpo
E façam de Portugal
Um país puro e limpo!

Este Portugal destroçado
Com o povo torturado,
Mal tratado, explorado,
É um País destruído
Com o povo consumido,
Com os jovens a emigrar,
Os velhos a chorar
E as crianças a passar fome!

É um país desconforme!

As escolas degradadas,
Repartições encerradas,
Postos médicos encerrados,
Hospitais fechados,
Os médicos a escassear,
Os enfermeiros a sair
Para Inglaterra ir.
As empresas a fechar,
Desemprego a aumentar
E os jovens a emigrar!

Os tribunais a encerrar
Para mais próximo das populações
Poderem ficar (?). Grandes soluções!
E os criminosos à solta
Continuando a roubar,
E, alguns dos ladrões
Que nos roubam os parcos tostões,
Estão bem confortados,
A gozar consolados
Nas suas mansões!
Outros,roubam aos trabalhadores o ordenado
E a pensão ao reformado!
Mas, não cortam as suas pensões
Nem as subvenções…

Continuam à solta os ladrões!

Os criminosos são à pena condenados
Mas, continua o pobre a ser espoliado…
Os criminosos não cumprem a pena,
Reincidem no crime de roubo agravado,
Mantando lentamente
O pobre reformado,
E, o pobre trabalhador com redução de ordenado!

Andam á solta por todo o lado!

Oh! Deuses do Olimpo,
Saiam do vosso Palácio de Cristal,
Desçam do Olimpo
E façam de Portugal
Um país puro e limpo!

Fecham os Tribunais
E as estruturas sociais,
Reduzem autarquias
Para ganharem umas maquias!
Vendem património;
Ação de autêntico demónio!
Tudo está vandalizado
Destruído, por todo o lado!

Que nos irá acontecer mais?!
Não há quem tenha força
Para abater os bandidos!
Estamos perdidos!

Deuses do Olimpo,
Não tragam o jovem Hermes!
Mandem-no emigrar!
Porque a função dele é roubar!
Não, o Hermes não!
Porque ele é protector do ladrão!

Deuses do Olimpo,
Não se esqueçam da Themis,
Já que fecham os tribunais,
A Themis nos ajudará mais
Preservando a justiça
E acabando com a gandulagem
Desta ladroagem!
          
Oh! Deuses do Olimpo,
Saiam do vosso Palácio de Cristal
Desçam do Olimpo
E façam de Portugal
Um país puro e limpo!
              «»

                   Zélia Chamusca


Fonte de imagem - Google

4 comentários:

  1. Cara Amiga Zélia,

    Parabéns por este libelo, escrito com muita alma, muita sensibilidade, humanidade, pensando nos mais carentes com muito apurado espírito cristão.

    Estamos a receber o Neptuno irado, mas ele não pode chegar aos cumes do Poder tal é a altitude e atitude que este tem tomado. Venha um Eolo, um Marte.
    Mas com estes ou outros o futuro será traçado sobre escombros e ruínas. Aos antigos pobres, sem abrigo, já nada pode piorar, tanto tem sido o seu sofrimento, mas quem mais está sofrendo, em pobreza envergonhada e ainda alimentando ilusões fátuas, é a classe média, sem uma migalha de pão e sem coragem para mendigar. Vendem ao desbarato os escassos haveres que tinham tentando adiar o momento da morte por carências várias ou do acto de desespero final. Para eles ninguém olha a não ser alguns abutres que procuram enriquecer mais, chupando os ossos dos ex-remediados, agora na mais dolorosa penúria, mesmo tendo pisado em passado recente as alcatifas dos seus empregos, que exerceram com dedicação apego.

    Beijo
    João Soares

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom Dia, Ilustre Amigo, A. João Soares,

      Claro que tem razão para falar da triste realidade em que nos encontramos, tal como eu o faço.
      Já me vão faltando as palavras para descrever a ignomínia que nos causam os sem pudor, sem vergonha, sem moral, sem respeito pelo ser humano.
      E, como me faltam as palavras, repito, é mais fácil, com as poucas que tenho, construir um "não poema", mas protesto e revolta pelo crime de que estamos sendo vítimas.
      Penso que a classe média não é menos afetada do que os pobres. Mas estes, os pobres já vivem debaixo da ponte e a classe média refugia-se, não sei onde, pela vergonha de se encontrar destruída.
      Desejo um dia com saúde e força para continuar na sua e nossa luta, na denúncia deste terrorismo e ostracismo a que nos votaram.
      Muito grata por seu sabedor comentário que muito ilustra este espaço.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  2. Em alguns momentos dessa leitura, pensava estares a falar do Brasil. Tanto se faz parecida essa anarquia que teimam em chamar de política!
    Aqui nessa terra. O cidadão sai para trabalhar e já não sabe se volta diante de tão grande violência que reina. E quando prendem algum bandido, não demora e sempre existe uma lei para libertá-lo. Desse modo a criminalidade tem aumentado por demais. Mas quando pegam algum que tenha atentado contra algum nobre. Não custa muito para encontrar o responsável e lhe acabar com a vida.
    Que alguns desses deuses do Olimpo cheguem até aqui no Brasil também.

    Mônica Pamplona.

    ResponderEliminar
  3. Concordo, Mônica, que o que escrevi, infelizmente, se poderá aplicar ao Brasil.
    E, veja que, depois de escrever o poema que de poético nada tem a não ser a forma, fui procurar uma imagem e surgiu a que postei que tem origem no Brasil e corresponde exatamente ao pensamento metafórico,aqui, expresso.

    Há uma diferença, é que, aqui, a corrupção, o roubo e a mentira têm origem mais discreta e psicológica. Não matam logo; vão matando aos poucos...

    Grata, Minha Querida Mônica e beijinho,

    ZCH

    ResponderEliminar