terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Dobram os sinos chorando...




 

Dobram os sinos chorando…
No mundo a ausência de amor
Onde tanta gente sofre
Porque há quem lhes cause a dor!
 

Dobram os sinos chorando…
No mundo em que não há paz
Guerreiam pela ambição
Que tanta miséria faz!
 

Dobram os sinos chorando…
Porque não ouvem a mensagem
Que Jesus nos vem lembrar,
Quando a vida é uma passagem…
 

Dobram os sinos chorando…
No mundo a ausência de amor
Amemo-nos uns aos outros
Disse-nos o Salvador.
 

Dobram os sinos chorando…
Por tanta tristeza e dor,
Tantos que ficam sem pão,
No Natal, dia do Senhor.
 
 
Dobram os sinos chorando…
No dia de Santo Natal,
Se Natal é só este dia;
É porque não há Natal!
 

Dobram os sinos chorando…
Façamos de nossas vidas
Um permanente Natal
P’ra que os sinos soem cantando!
                      «»

                             Zélia Chamusca
                               
                                    Natal 2013
Poema de Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

2 comentários:

  1. Em plena quadra de Natal,este poema é mais um dos ecos da autora a fazer relembrar que devemos evitar que os sinos dobrem chorando e passem a soar cantando hinos de respeito pelo semelhante, de amizade de elogio a quem faça algo que possa ser bom exemplo para os outros.E uma dessa pessoas é a poetisa Zélia Chamusca que tem sido incansável em estimular a harmonia universal ,que começa dentro de cada um de nós ao fazer aos outros aquilo que deseja façam a si próprio. As amabilidades, os gestos as palavras trocam-se para serem os melhores presentes, indestrutíveis e espiritualmente rentáveis. A nossa alegria de viver depende daquela que transmitimos aos outros. Troquemos afectos durante todo o ano, como se todos os dias fossem NATAL.Façamos o nosso sino soar hinos de alegria, em permanência.
    Feliz Natal para todos os visitantes deste espaço
    A João Soares

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ilustre Sr.A.João Soares,

      Isso queria eu - "estimular a harmonia universal" mas tenho consciência da minha limitação e não o tento de modo algum . Apenas, mostro que tenho os pés bem assentes na terra e não sou nem egoista nem hipócrita e, sobretudo tenho a coragem de dizer o que sinto, coisa que muito pouco vejo à minha volta. Será que não vêm?. Têm mêdo? Ou interessa-lhes levados pelo egoismo e falta de amor fraterno que é, efetivamente, o que falta no mundo. Grata por seu comentário e meu abraço fraterno,ZCH

      Eliminar