sexta-feira, 29 de novembro de 2013

O cínico ignora a dor do sofrimento alheio


 

Nunca existe alternativa,
É fatal como o destino
Em cumprir-se a diretiva,
Sem dignidade, sem tino.
 

Os mais frágeis atacados
São mais fáceis de abater,
Sempre estes penalizados,
Sempre os mesmos a sofrer.
 

Pagam pela corrupção,
P’la falta de honestidade
E de tamanha ambição
Que existe na sociedade.
 

Cada vez mais pobres são
E os ricos a enriquecer
Pela força da  opressão
Sobre os que não têm poder.
 

Corromperam a nação,
E o país já destruíram
É tão grande a sua ambição
Que o dinheiro  eles sumiram.
 

Roubaram e bem se encheram
E assim continua a ser,
Comeram e bem beberam
E o pobre a sofrer.
 

Há gente que passa fome,
Ricos cada vez mais ricos
Neste mundo desconforme,
Onde existem tantos cínicos
 

Não pode existir pudor,
De todo o alheio sofrimento
O cínico ignora a dor
Dos que vivem em tormento.
 

É o pobre que paga tudo
Paga o que outros já roubaram,
Roubam velhos sobretudo
E os que muito trabalharam.
 

Os  ricos mais ricos estão
E os pobres mais pobres ficam.
É tão grande a ambição
Que em nada se dignificam.
 

Perderam  a dignidade
Ganharam em ambição
É assim esta sociedade
Onde reina a corrupção!

             «»
 
 
 
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google
 

2 comentários:

  1. Zélia amiga. Eu penso que não se pode perder aquuilo que não se tem. Dignidade? Só se for pela forma como vestem e pelo discurso hipócrita. Veja bem que agora até é lugar comum estes corruptos se acusarem de desonestidade intelectual, como se houvesse graus mais ou menos duros para a honestidade,. E já agora um alegadamente chamado intelectualmente desonesto será digno de "engolir" isto nas calmas? Tudo isto fede tanto que já pouco remexo. Há consequências irreversíveis nesta criminalidade tutelada por "papelada" obsoleta e muita falta de vergonha. Boas Festas para si, querida amiga e, que nunca lhe doa a pena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Adriano,

      Fomos educados e crescemos numa sociedade em que se preservavam os valores humanos tais como a dignidade, honra e respeito pelos outros, especialmente os mais velhos, numa sociedade em que se valorizava a cultura, o saber e o conhecimento que conduziam a estes mesmos valores que refiro. Lutámos e crescemos no sentido do caminhar fraterno, na busca da liberdade da igualdade e da fraternidade, que obtivemos e que vivemos. Esta gente que, agora, se governa não sabe o que isso é. Conhece apenas, uma única forma de moral, o hedonismo, a moral do prazer, o prazer como supremo bem da vida humana, da deles, egoistamente, da vida deles, conseguindo-o através da exploração e crueldade que inflige ao outro.

      É isto que nos fere. Esta forma de pensar e agir em proveito próprio ao ponto de sacrificar os indefesos, os mais frágeis, os pobres os velhos e doentes.

      Nós não podemos entender, nem queremos aceitar.

      Devemos lutar com a força que nos é possível para que, pelo menos, possamos abrir o caminho para uma nova sociedade onde paire a justiça, a honra, a fraternidade e paz.

      É um lenitivo que me conforta sentir que, ainda, há alguém que está comigo em consonância de sentimentos.

      Grata e beijinho,
      ZCH

      Eliminar