domingo, 13 de outubro de 2013

Por Passos Torturados...


 

 Velhos, pobres e doentes

na rua cambaleando,

em lentos passos pesados,

caminham cansados

por passos torturados…

 

Velhos, espoliados,

esgotados e corcovados

em passos pesados…

 

Velhos na rua passando,

tristes, maltratados,

na lentidão dos passos,

carentes, esfomeados,

por passos magoados…

 

Velhos na solidão,

sofrendo a exclusão,

da injustiça humana

de gente insana,

para a pobreza mandados…

 

Velhos, pobres, doentes

carenciados e esfomeados,

caminham na lentidão

da morte que avizinham,

com fome, sem pão,

em passos pesados,

por passos torturados,

tristes e desrespeitados!...

 

Velhos, pobres e doentes

na rua descartados

como lixo da sociedade!…

 

Maldade!…
 
Vergonha desta sociedade!...

 

Foram estes homens,

agora, velhos,

pobres e doentes,

que com vida dura

vencendo a ditadura,

sustentaram

a atual sociedade

conferindo-lhe privilégios

que eles nunca puderam usufruir!

 

Estes homens,

agora, velhos,

pobres e doentes

são pela mesma sociedade,

atacados, desrespeitados,

espoliados e marginalizados!...



Maldade!...

Vergonha desta sociedade!...

                  «»
  
 
                
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem -  Google

4 comentários:

  1. Bem haja amiga pelo sua esclarecida pena.

    Ao cantar a exclusão de quem lutou e arriscou a vida pela Liberdade que hoje permite os desmesurados privilégios dos herdeiros juniores da Revolução dos cravos, está não só homenagear gente séria e corajosa, como os que, ao seu lado, lutaram pelo que foi um exemplo de solidariedade socia,l que um qulquer Sousa, ou Mexia desbarataram em seu favor, ainda não completamente.

    Zélia. Nós tivemos a honra de trabalhar numa empresa de exploração dum produto essencial que, tinha a atenção de cuidar do bem estar dos seus colaboradores duma forma transversal, quer os de chefia quer os de baixa categoria como nenhuma outra ainda fez neste País depois da revolução. A CRGE tinha escola, ginástica, cooperativa, mercearia, ourivesaria, pronto a vestir, colónia de férias, serviço médico próprio polivalente, apoio à maternidade, clube desportivo, centro cultural, enfim, um exemplo de "exploração" consciente e humanística duma empresa de serviço público que devolvia à sociedade que esplorava uma parcela dos seus ganhos.. Hoje dela apenas resta a memória Os gigolos que enfeitam agora a sua cúpula, não merecem usar nenhum símbolo na lapela, daquilo que foi e se manteve esta empresa que cresceu em solidariedade desde A NACIONALIZAÇÃO até à dispersão em bolsa da maior empresa nacional alguma vez construida..

    Diz bem, Vergonha tenho desta Sociedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Adriano,

      Do tanto que referiu da "nossa Empresa" onde tivemos o privilégio de trabalhar, de crescer, de ser e ter, muito mais eu acrescentaria. Seria um nunca mais acabar...

      As pessoas, quando falamos do que tínhamos, como por exemplo, a nossa Caixa de Previdência Privada (cujos fundos nos rouba esta cambada de ladrões que se governa) não sabem nem irão saber porque já não há.

      Saudade dos Senhores que conheci e com quem aprendi...

      Saudade do outro mundo em que vivi...

      Sinto que não estou só.

      Grata por seu comentário e beijinho,

      ZCH

      Eliminar
  2. Compartilho do mesmo sentimento Zélia.
    No Brasil não é diferente, infelizmente.
    Versos tristes que buscam alcançar justiça para com todos.
    Bjssssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, Querida, pelo seu carinho.

      Tenha um dia feliz,

      ZCH

      Eliminar