quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades




“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança”


Camões, Grande Camões,

se neste País, agora, estivesses

verias que pior que mudar-se a confiança

é perder-se a confiança…


Se cá estivesses não cantarias

aqueles que:

“Entre gente remota edificaram

Novo reino, que tanto sublimaram;”


Não, já não espalharias cantando,

por toda a parte,

com teu engenho e arte,

a Imortal Epopeia

que à Humanidade deixaste!


Se cá estivesses chorarias

lágrimas sem fim, numa tragédia triste,

a morte de tua amada Pátria!


E, em doce pranto lembrarias, apenas,

em memória:

“Aqueles que por obras valerosas

Se foram da lei da morte libertando”


Se, agora cá estivesses

em teu imortal poema

que deu titulo a este meu simples tema,

com teu engenho e arte chorarias,

em trágico prólogo,

o que, aqui, contigo dialogo:


Mudam-se imagens,

mudam-se conceitos,

mudam-se valores,

mudam-se preceitos.


E, líricos e trágicos episódios

desenvolverias chorando:


Mudam-se as imagens

Trabalhador – Embolo da produção;

é prisioneiro da escravidão.

Reformado – Sénior respeitado;

é velho espoliado e marginalizado.


Mudam-se os conceitos


Destruição do estado social; é reforma do Estado.

Baixar salário; é ajustamento.

Baixar pensão; é convergência.

Roubo de reforma; é poupança.

O dinheiro do reformado; é despesa do Estado.


Mudam-se os valores

Explora-se o trabalhador

para ajudar ao patrão;

Tira-se ao pobre

 para enriquecer mais o rico;

Rouba-se o reformado

dizendo que é despesa do Estado.

Tudo causa da corrupção

que destruiu o País

e roubou a Nação.


Tudo em nome da poupança

na despesa do Estado…


Mudam-se os preceitos

“Dura lex, sed lex”

Sendo o significado à letra, 

“A lei é dura mas é lei”,

que, agora, é uma treta.

Significado para o povo, lei é lei,

mas, para o rico e para o político, não há lei!

Negam o pressuposto da lei,

não cumprem as leis,

e, quando confrontados

com as decisões do Tribunal

ou, apenas, lembrança de que lei é lei

que é para cumprir,

agressiva e vingativamente,

disparam com pior mal.


E, assim, para o pobre, lei é lei para ser cumprida.

Mas, para outros é:

Incumprimento;

Impunidade;

Desrespeito;

Desumanidade.


Andam criminosos à solta:

corruptos e aldrabões,

ladrões e vendilhões

da Pátria e da Nação!


Andam á solta e sabemos quem e onde estão!


Camões, Grande Camões,

se neste País, agora, estivesses,

verias que pior que mudar-se a confiança

é perder-se a confiança!…

              «»
Da obra  Um Mundo Melhor - Autora Zélia Chamusca
Chiado Editora
Fonte de imagem - Google
                     

10 comentários:

  1. Grande desencanto neste poema e, justificadíssimo. Para além das duras verdades que expõe, eu diria que Camões, num País destes, emigraria, como todos os que não se vergam ao jugo da tirania.
    Zélia, a sua indignação alimenta-me a minha. Estamos cada vez mais a convergir no retrato dum tempo pútrido, cujos dirigentes não passam de pulhas. Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Adriano,
    Se minha indignação alimenta a sua, seu comentário alivia-me a alma.
    Não calcula o que ri à gargalhada por ver o Grande Camões a emigrar!...
    Sim, ele fugia!... Tenho a certeza que ele fugia de horror por ver a Pátria Amada destroçada.
    E já tinha fugido há muito porque os vendilhões do templo já o profanaram e venderam há muito!
    Grata por seu comentário e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Cara Amiga Zélia,

    Um belo poema que é um libelo contra os vendilhões da Pátria. Trabalhador é escravo mas o velho é candidato à eutanásia, com as dificuldades nos cuidados de saúde e com a fome devida aos sucessivos cortes acumulados. Assim se cortam as despesas do Estado? E as despesas nos gabinetes dos ministros? O gabinete do PM, segundo um e-mail que há pouco li, custa por mês em salários 149,486,76€..
    Mesmo com tanto pessoal, só está a fazer coisas discutíveis que têm piorado constantemente a vida dos portugueses. Apesar de andarmos a apertar o cinto há quase dois anos e meio, ainda não tivemos benefícios de tal sacrifício E, pior ainda, vamos sofrer mais cortes em 2014.
    Apesar de tanta gente para o ajudar,, diz coisas que depois são contrariadas por outros discursos seus. Diz mentiras, faz previsões erradas. Para que lhe serve tanta gente do gabinete?

    Beijo
    João

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Amigo, Ilustre Senhor A. João Soares,

      Veja onde deviam cortar e cobardemente não o fazem:


      O que a Troika queria aprovar e não conseguiu!!!!!!----

      1. Reduzir as mordomias(gabinetes, secretárias, adjuntos, assessores, suportes burocráticos respectivos, carros atestados, motoristas, etc.) dos ex-Presidentes da República.

      2. Redução do número de deputados da Assembleia da República para 80, profissionalizando-os como nos países a sério. Reforma das mordomias na Assembleia da República, como almoços opíparos, com digestivos e outras libações, tudo à custa do pagode.

      3. Acabar com centenas de Institutos Públicos e Fundações Públicas que não servem para nada e, têm funcionários e administradores com 2º e 3º emprego.

      4. Acabar com as empresas Municipais, com Administradores a auferir milhares de euro/mês e que não servem para nada, antes, acumulam funções nos municípios, para aumentarem o bolo salarial respectivo.

      5. Por exemplo as empresas de estacionamento não são verificadas porquê? E os aparelhos não são verificados porquê? É como um táxi, se uns têm de cumprir porque não cumprem os outros? e se não são verificados como podem
      ser auditados*?

      6. Redução drástica das Câmaras Municipais e Assembleias Municipais, numa reconversão mais feroz que a da Reforma do Mouzinho da Silveira, em 1821.

      7. Redução drástica das Juntas de Freguesia. Acabar com o pagamento de 200 euros por presença de cada pessoa nas reuniões das Câmaras e 75 euros nas Juntas de Freguesia.

      8. Acabar com o Financiamento aos partidos, que devem viver da quotização dos seus associados e da imaginação que aos outros exigem, para conseguirem verbas para as suas actividades.

      9. Acabar com a distribuição de carros a Presidentes, Assessores, etc, das Câmaras, Juntas, etc., que se deslocam em digressões particulares pelo País;.

      10. Acabar com os motoristas particulares 20 h/dia, com o agravamento das horas extraordinárias... para servir suas excelências, filhos e famílias e até, os filhos das amantes...

      Continua no comentário seguinte

      Eliminar
  4. Continuação:
    11. Acabar com a renovação sistemática de frotas de carros do Estado e entes públicos menores, mas maiores nos dispêndios públicos.

    12. Colocar chapas de identificação em todos os carros do Estado. Não permitir de modo algum que carros oficiais façam serviço particular tal como levar e trazer familiares e filhos, às escolas, ir ao mercado a compras, etc.

    13. Acabar com o vaivém semanal dos deputados dos Açores e Madeira e respectivas estadias em Lisboa em hotéis de cinco estrelas pagos pelos contribuintes que vivem em tugúrios inabitáveis.

    14. Controlar o pessoal da Função Pública (todos os funcionários pagos por nós) que nunca está no local de trabalho. Então em Lisboa é o regabofe total. HÁ QUADROS (directores gerais e outros) QUE, EM VEZ DE ESTAREM NO
    SERVIÇO PÚBLICO, PASSAM O TEMPO NOS SEUS ESCRITÓRIOS DE ADVOGADOS A CUIDAR DOS SEUS INTERESSES, QUE NÃO NOS DÁ COISA PÚBLICA.

    15. Acabar com as administrações numerosíssimas de hospitais públicos que servem para garantir tachos aos apaniguados do poder - há hospitais de província com mais administradores que pessoal administrativo. Só o de
    PENAFIEL TEM SETE ADMINISTRADORES PRINCIPESCAMENTE PAGOS... pertencentes ás oligarquias locais do partido no poder.

    16. Acabar com os milhares de pareceres jurídicos, caríssimos, pagos sempre aos mesmos escritórios que têm canais de comunicação fáceis com o Governo, no âmbito de um tráfico de influências que há que criminalizar, autuar, julgar e condenar.

    17. Acabar com as várias reformas por pessoa, de entre o pessoal do Estado e entidades privadas, que passaram fugazmente pelo Estado.

    18. Pedir o pagamento dos milhões dos empréstimos dos contribuintes ao BPN e BPP.

    19. Perseguir os milhões desviados por Rendeiros, Loureiros e Quejandos, onde quer que estejam e por aí fora.

    20. Acabar com os salários milionários da RTP e os milhões que a mesma recebe todos os anos.

    21. Acabar com os lugares de amigos e de partidos na RTP que custam milhões ao erário público.

    22. Acabar com os ordenados de milionários da TAP, com milhares de funcionários e empresas fantasmas que cobram milhares e que pertencem a quadros do Partido Único (PS + PSD ).

    23. Acabar com o regabofe da pantomina das PPP (Parcerias Público Privado), que mais não são do que formas habilidosas de uns poucos patifes se locupletarem com fortunas à custa dos papalvos dos contribuintes, fugindo
    ao controle seja de que organismo independente for e fazendo a "obra" pelo preço que "entendem".

    24. Criminalizar, imediatamente, o enriquecimento ilícito,perseguindo, confiscando e punindo os biltres que fizeram fortunas e adquiriram patrimónios de forma indevida e à custa do País, manipulando e aumentando preços de empreitadas públicas, desviando dinheiros segundo esquemas pretensamente "legais", sem controlo, e vivendo à tripa forra à custa dos
    dinheiros que deveriam servir para o progresso do país e para a assistência aos que efectivamente dela precisam;

    25. Controlar rigorosamente toda a actividade bancária por forma a que, daqui a mais uns anitos, não tenhamos que estar, novamente, a pagar "outra crise".

    26. Não deixar um único malfeitor de colarinho branco impune, fazendo com que paguem efectivamente pelos seus crimes, adaptando o nosso sistema de justiça a padrões civilizados, onde as escutas VALEM e os crimes não prescrevem com leis à pressa, feitas à medida.

    27. Impedir os que foram ministros de virem a ser gestoresde empresas que tenham beneficiado de fundos públicos ou de adjudicações decididas pelos ditos.

    28. Fazer um levantamento geral e minucioso de todos os que ocuparam cargos políticos, central e local, de forma a saber qual o seu património antes e depois.

    29. Pôr os Bancos a pagar impostos.
    «»


    Grata, Amigo AS. João Soares e muita força para lutarmos,
    ZCH

    ResponderEliminar
  5. Pobre Camões. Deve estar revirando-se na sepultura!!
    Gritos abafados explodem em teus versos. Revolta é a tua espada estirada em nome da justiça. Ainda que seja em poema.
    Bjsssss

    ResponderEliminar
  6. Oi! Querida Monica!

    Se, hoje, a sociedade criasse um génio da literatura portuguesa nunca seria Camões mas antes um autor da tragédia greco-romana analisada por Aristóteles onde a expurgação ou purificação dos sentimentos se refletisse em catarse.

    E, cantada em cântico fúnebre!

    Grata, Querida Monica, e, beijinho,

    ZCH

    ResponderEliminar
  7. E, perante toda esta triste realidade, o «bom» povo,abúlico, desvitaminado, engole as patranhas que lhe atiram e vota ,nuns ou noutros .São todos piores que outros. Depois de tantos diagnósticos,falta quem aplique a terapia eficaz. Ainda não apareceu o Lidador que dê a voz de largada para fartar a vilanagem, agora esfomeada. Mas não há nenhum Charlie,nem quem o faça calar. Falar da vantagem do diálogo está certo, mas entre quem? .
    Desejo que nunca lhe esmoreça a veia poética e patriótica,
    AJS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A.João Soares,
      Isto é um povo de eunucos que só vê à frente dos olhos. Não olha para os lados...
      Teremos a arma nas mãos. Depende de nós o rumo mudar!
      Veremos amanhã na Grécia. Estou a torcer pela mudança! Será meio caminho andado! Vou rezar para que ganhe Syriza!
      Estão muito aflitos com o projeto europeu. Quem? Para que serviu? Temos tudo destruído!
      Repito, teremos a arma nas mãos. Depende de nós mudar as circunstâncias!
      Grata por sua presença e abraço fraterno,
      ZCH

      Eliminar