quarta-feira, 14 de agosto de 2013

A Exclusão

 

 

Sinto a angústia

Que me não deixa ser feliz.

Esta dor permanente

Que só a conhece

Quem a sente.

 

Quem vê a injustiça

Da desigualdade

E da falta de liberdade;

 

O paradoxo

Da anulação

Da essência da pessoa

Que gera frustração.

 

Por causa da ambição

Quantos, quantos...

Nunca viveram em comunhão?!!

 

Eternos excluídos,

De todos esquecidos,

Marginais,

Que afinal,

De tantos são iguais! 

        «»

                              Zélia Chamusca                        

                                     98/07/14

Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google


EXCLUSION

By Zélia Chamusca

Feel the anguish
I do not let it be happy
This permanent pain
That only knows
Who feels.

Who sees injustice
inequality
And the lack of freedom;

The paradox
cancellation
The essence of the person
Which generates frustration.

Because of ambition
How many, how many ...
Never lived in communion?!

Eternal excluded
All forgotten,
marginal
That after all,
So many are the same!
         «»
                               Zelia Chamusca
                       

2 comentários:

  1. Excelente grito de dor. De facto está a ficar insuportável...mas...é preciso lutar e a Zélia fá-lo com toda a garra. Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Adriano,

      Este poema foi escrito há 15 anos, em 1998.
      E, tristemente, está mais atual que nunca e por isso me lembrei de o postar aqui.
      Na altura, o sentimento que me levou a escreve-lo era outro, diferente do que sinto hoje.
      Também a exclusão se pode manifestar em diferentes perspetivas, mas é sempre num contexto social gerador, mesmo que psicológico, dado que este se manifesta no excluído em consequência de determinada "praxis" social geradora da exclusão.

      Quando evoluirá a sociedade?

      Fico feliz com seu comentário.

      Beijinho,

      ZCH

      Eliminar