domingo, 28 de abril de 2013

Uma ilha de outra era




 
 



Habitei uma ilha,
Não sei que ilha era.
Era de outra era,
Era de felicidade,
Era quimera… 

Era uma ilha
Que não estava no mar,
Onde o verbo amar
Predominava  no ar… 

Era uma ilha diferente
Uma ilha de gente,
Que se ajudava mutuamente…
 

Viviam felizes,
Possuíam o maior bem
Que poderá existir em alguém.

Distribuíam amor,
Não havia dor,
Não existia poder
De um sobre outro ser,
Não havia disputa,
Não havia luta,
Não havia sofrer.

Não existia dinheiro,
Existia a permuta
Do amor por inteiro,
Onde todos se completavam
Porque se amavam… 

Tudo surgia
Como por magia,
Com a força e calor
Do imenso amor,
Que cada um sentia… 

Era uma insula
Que não sei como era,
Uma insula na terra,
Uma inselberg,
Um monte ilha,
De remota era.

Uma era de felicidade
Repleta de amizade… 

Era uma ilha monte
Donde se avistava
Imenso horizonte…

Onde pastavam  rebanhos
E outros animais,
Muitos mais…
Os campos garridos
De flores coloridos,
Frutos aromáticos
Policromáticos,
Um ar puro e perfumado
Por todos exalado… 

Era uma ilha de outra era,
Com uma outra atmosfera…

Pairava no ar
Uma música de embalar,
Cromática, de tons e semitons.
Todos se amavam,
Todos eram bons… 

Era uma ilha de outra era,
De felicidade,
Não existia maldade.
Era utopia,
Era sonho,
Era quimera… 

Ah! Quem dera!...
                                                                           
                Zélia Chamusca
 

Da obra - A MENSAGEM - Podemos mudar o mundo
Chiado Editora 

2 comentários:

  1. Lindo e belo, sonho ou Utopia, podemos mudar o mundo se fizermos do amor a nossa única moeda de troca....beijinhos com admiração poética, do jrg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é... Querido Poeta e Amigo,João Raimundo Gonçalves...

      Que bom seria se o amor, este amor que aqui ficou expresso, não existisse, apenas, na fantasia poética...

      Olho em meu redor e vejo que não estou nesta ilha, e, o mundo onde vivo é dominado sim, por uma única forma de amor.
      Este é o EGOÍSMO.

      E, no contexto da nossa obra, A MENSAGEM, este amor egoísta predomina nos que têm o poder político que tudo querem só para eles e que cobardemente expoliam o pobre. Sim, ao rico eles não tocam mas se juntam a eles...
      E disse...
      Abraço fraterno que é o que está faltando.
      ZCH

      Eliminar