domingo, 28 de abril de 2013

Uma ilha de outra era




 
 



Habitei uma ilha,
Não sei que ilha era.
Era de outra era,
Era de felicidade,
Era quimera… 

Era uma ilha
Que não estava no mar,
Onde o verbo amar
Predominava  no ar… 

Era uma ilha diferente
Uma ilha de gente,
Que se ajudava mutuamente…
 

Viviam felizes,
Possuíam o maior bem
Que poderá existir em alguém.

Distribuíam amor,
Não havia dor,
Não existia poder
De um sobre outro ser,
Não havia disputa,
Não havia luta,
Não havia sofrer.

Não existia dinheiro,
Existia a permuta
Do amor por inteiro,
Onde todos se completavam
Porque se amavam… 

Tudo surgia
Como por magia,
Com a força e calor
Do imenso amor,
Que cada um sentia… 

Era uma insula
Que não sei como era,
Uma insula na terra,
Uma inselberg,
Um monte ilha,
De remota era.

Uma era de felicidade
Repleta de amizade… 

Era uma ilha monte
Donde se avistava
Imenso horizonte…

Onde pastavam  rebanhos
E outros animais,
Muitos mais…
Os campos garridos
De flores coloridos,
Frutos aromáticos
Policromáticos,
Um ar puro e perfumado
Por todos exalado… 

Era uma ilha de outra era,
Com uma outra atmosfera…

Pairava no ar
Uma música de embalar,
Cromática, de tons e semitons.
Todos se amavam,
Todos eram bons… 

Era uma ilha de outra era,
De felicidade,
Não existia maldade.
Era utopia,
Era sonho,
Era quimera… 

Ah! Quem dera!...
                                                                           
                Zélia Chamusca
 

Da obra - A MENSAGEM - Podemos mudar o mundo
Chiado Editora 

terça-feira, 23 de abril de 2013

Quem matou os valores da liberdade?!



Poema e Formatação de - Zélia Chamusca
Da obra - A  MENSAGEM - Podemos mudar o mundo
Chiado Editora

sábado, 20 de abril de 2013

Povo da Paz








Povo da Paz,

Viveste uma revolução de amor,
Numa primavera de Abril em flor,
De armas munidas de fraternidade
E cravos vermelhos da liberdade!


Povo da Paz,

Enganaram-te os por ti escolhidos,
Do Poder nunca foram merecidos
Por ser grande a desumanidade,
Não sabem o que é a fraternidade!

 
Povo da Paz,

Que não esqueces os militares de Abril
Que naquele dia primaveril
Tornaram teu sonho concretizado
E sempre continuarão a teu lado!


Povo da Paz,

Tem a certeza que eles contigo estão,
Mesmo em espírito, perdurarão,
P´ra continuarem contigo a cantar,
Bela canção - Portugal Libertar!
                                       
                        Zélia Chamusca



Da obra - A MENSAGEM - Podemos mudar o mundo
Chiado Editora

Reeditado 

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Nosso encontro


         







Nosso encontro
no enorme salão
da multidão
era solitário,
agora, imaginário…

Era solitário
porque era nosso,
apenas, nosso….
Como se o mundo fosse nosso...
Apenas, nosso… 

Só nos víamos
e nos sentíamos
um ao outro… 

Este enorme salão
 era adornado com a cor
 da imensa alegria
 e com o encanto do amor
 que cada um sentia
 e que pela felicidade
na alma transparecia
 em paz e tranquilidade … 

Neste salão, voávamos
por entre  nuvens
iluminadas pela luz do sol
ao entardecer,
até as aves recolherem
aos seus ninhos
e com seu doce chilrear
nos acolherem com doce canto
de encanto,
até ao chegar do luar… 

Então, adormeciam,
e, já não nos acolhiam,
nem conduziam… 

Ficávamos livres,
livres como elas,
adormecendo no sonho,
até ao alvorecer dum novo dia…
                     





Da obra - Palavras da Alma
Autora - Zélia Chamusca
Chiado Editora

Fonte de imagem -  Google

domingo, 14 de abril de 2013

terça-feira, 9 de abril de 2013

Patologia?





 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
Será patológico
Este meu estado,
Ter sempre presente
O Ser Amado? 

Não. Não é patologia
O que transmite alegria.
Pensar o contrário
É negativismo,
É nada, é niilismo. 

É uma harmonia
Cheia de luz e cor,
De plena sinestesia,
Estar contigo, Amor,
Em tão constante sintonia.

É eterna sinfonia
De apaixonado amor,
Hino de celestial Felicidade
Que perdurará na Eternidade!...
                 «»
 
 
 
Da obra -  PEDAÇOS DO MEU CORAÇÃO
Autora - Zélia Chamusca
Edições Vieira da Silva

 

sábado, 6 de abril de 2013

quinta-feira, 4 de abril de 2013

O amor verdadeiro



 
O amor verdadeiro
Existe, no mundo inteiro,
Nalguns corações,
Como pérolas preciosas,
Amorosas
E raras,
De ostras caras,
Que valem milhões,
Pela dedicação,
Entrega,
Comunhão
Na dor e paixão,
Distribuindo amor
Aos carenciados
Pelo mundo rejeitados
Que precisam ser amados…
 
São pérolas raras
De ouro reluzente
Brilhantes como o Sol
Dourado e quente
De vida e cor
De Amor!...
 
Estas pérolas de Amor
Não estão em qualquer lado
Por aí, seja onde for,
São pérolas
Dum Ser Sublimado
Em manifestação
Permanente
De entrega e doação
De Amor
Imenso e profundo
Aos abandonados,
Desamados,
No mundo.
 
Não é missão de qualquer,
É apenas, destas pérolas, sequer.
São imagem do Amor,
Pérolas raras que por aí há,
Outras, tantas…
Como Teresa de Calcutá!...
 
São símbolo de Fé
Que nos faz crer
Que um dia,
O Amor deixará
De, apenas, ser
Mera utopia,
E, em todo o mundo,
Para sempre existirá!...
               «»
                              Zélia Chamusca
 
 

 
Poema de - Zélia Chamusca

Da obra - PEDAÇOS DO MEU CORAÇÃO
Edições Vieira da Silva