quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Quadrilha de Ladrões!


                                                      
Fui roubada p’la quadrilha,
P’la quadrilha de ladrões!
Nunca ninguém me roubou
Os parcos dos meus tostões.

 

 
A subir pelas paredes
Onde colavam cartazes,
Neles o povo iludiram,
De tudo já são capazes!

 

 



 

 
Capazes de nos roubar,
Espoliar e mal tratar
Chupar-nos até à medula
P´ra pobreza alastrar!

 

 
 
 
Maior quadrilha do mundo!
Quadrilha sem coração!
Quadrilha que se governa
Roubando aos pobres o pão!

                   «»
 
                                                                        
Poema de - Zélia Chamusca
Escrevi para todos os espoliados.
Dedico-vos.
Fonte de imagem - Google

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Ele, o Salazar não roubou aos pobres. Quando ele tomou o Poder, Portugal e o mundo tinha saído duma Grande Guerra. Portugal cresceu.Por exemplo a Maternidade Alfredo da Costa surgiu durante o Estado Novo, Escolas, Hospitais, Universidade, Estradas,etc.
      Eu não existia nessa altura, mas antes de 1974 eu não ligava a estas coisas mas tive a liberdade de ser de crescer, de trabalhar de estudar e de vir a ter e nunca ninguém me roubou nada...
      O mal foi a ambição da permanência vitalícia de Salazar no Governo e não existir liberdade de expressão e manifestação, consequência dessa ambição. Era, sobretudo, a persistência do Poder num único Partido. A dita Ditadura.

      Hoje, parece que há liberdade de expressão, mas, que importa se tiram aos jóvens a liberdade de crescer, de ser e viver no seu País e os mandam emigrar? Que importa se expoliam até à medula o povo português a quem eles devem o Poder, mas não este, não foi este que usam que lhes foi conferido e de acordo com o que juraram cumprir na tomada de posse.Que importa eu falar se me roubam o que é meu e que ganhei com trabalho honesto numa vida longa de trabalho intenso, dura, mas de força e de determinação?
      Que importa, repito, ter a liberdade de me expressar, se me roubam e pretendem reduzir à miséria?
      Amigo verdadeiro, Guiherme Duarte, aqui não devo dizer mais nada...

      Isto que nos desgoverna é que é a verdadeira ditadura de corruptos que levaram Portugal ao estado a que chegou. Expoliaram tudo e, agora, expoliam o povo(não gosto deste termo porque me lembra o tempo da escravatura, do mediavelismo, clero nobreza e povo) expoliam, escrevizam o ser humano, cidadãos, pessoas que torturam reduzindo-as à miséria...

      Grata por sua presença,
      ZCH

      Eliminar
  2. Tuas trovas em denúncia e repugnância, diante de tanta politicagem.
    Infelizmente minha amiga, se serve pra consolo. Também por aqui no Brasil a coisa anda séria! Nosso planalto abriga quadrilhas para acabar com o povo.
    Parabéns pelas trovas.
    Bjsssss

    ResponderEliminar
  3. Eu sei, Querida Mônica, que o mal e a ambição dos que têm o Poder prolifera,infelizmente, por todo o mundo, como se eles não morressem...

    Não há amor, não há fraternidade, apenas há o egoismo...

    Muito amor para si,
    ZCH

    ResponderEliminar
  4. É urgente que se grite aos ouvidos dos portugueses adormecidos: ACORDA, LEVANTA-TE E ANDA. O momento exige o esforço de todos. Cada um deve colaborar como puder, mas não tem o direito de ficar sentado à espera que os outros lhe tragam numa bandeja um FUTURO MELHOR.

    E se formos mais a fundo na análise do regime que permitiu o desabamento dos fundamentos do País? Qual tem sido o funcionamento dos partidos com assenta na AR? Estão em luta permanente para derrubar Governos e discutir ninharias em vez de ajudarem a tomar as melhores decisões para bem dos portugueses, em crescimento e desenvolvimento de equidade social. M«Isso vê-se na actual campanha autárquica, atiram-se farpas ao rival, mas não se procuram soluções realistas, honestas, para bem dos contribuintes. As promessas feitas são fantasias sem a mínima vontade nem possibilidade de realização. O lema é «o país que se lixe o que é preciso é eu enriquecer o mais possível, depressa, e por qualquer forma». Míseros traidores à Pátria, que não merecem a mínima consideração. Não colaboram para Bem de Portugal mas unem-se para evitar leis que combatam a corrupção, o tráfico de influências, a promiscuidade entre cargos públicos e privados, as suas próprias mordomias e subvenções que procuram ocultar do conhecimento dos contribuintes. Isto precisa de uma desparasitação urgente e eficaz. Quem ainda não é muito idoso em breve irá assistir a grandes alterações na vida portuguesa. Há um ditado que diz: não há bem que sempre dure nem mal que ature. Na história de todos os países já houve revoluções e mudanças,

    Em Portugal, as últimas foram em 1910, depois em 1926 (16 anos depois), a terceira foi em 1974 (48 anos depois). Depois dessa, já passaram 39 anos e, por isso, a nova viragem não pode demorar muito. E, curiosamente, os últimos dois anos têm estado a azedar os sentimentos da população ao ponto de bastar um pequeno sinal de partida para se dar o volte-face. A de 1910 foi despoletada por um civil que assassinou o rei D. Carlos l, a de 1926 saiu da mão de generais, a de 1974 de capitães e a próxima pode muito bem ser despoletada por qualquer civil vítima da austeridade excessiva, dos cortes desproporcionados que poupam os ricos e os políticos. Portugal precisa que os cidadãos reajam. Quem dará o primeiro passo??? A hora da solução está para breve. Preparemo-nos para colaborar. Cada um deve procura concertar a sua acção com a dos teus amigos. Deve ser tudo bem preparado para que não haja outro PREC desordenado e demolidor. É preciso ordem para que haja reconstrução do País e eliminação de parasitas... As manifestações de rua lesam os interesses de inocentes mas não abatem o inimigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo, Ilustre A. João Soares,

      Fico muito feliz com seu comentário que muito enriquece, complementa e dá força a meu grito de revolta expresso no poema aqui postado, perante a situação que políticos incompetentes e muito pouco honestos levaram este país, agora, destroçado. Mas nós lutaremos com garra fazendo cada um o que pode para que em breve surja uma nova sociedade para todos nós, mais justa e humana e que estes vendilhões do templo, vendilhões da Pátria e da Nação sejam, em breve, para sempre afastados de nós, para bem longe...
      Muito grata por sua colaboração na nossa luta, na luta que é de todos os portugueses.

      E,tenhamos a certeza que mudaremos muito em breve este nosso Portugal!
      ZCH

      Eliminar