domingo, 11 de novembro de 2012

A CARIDADEZINHA




 
A CARIDADEZINHA

Zélia Chamusca

 

Andam tantos a brincar

A uma caridadezinha

Nos fazendo acreditar

Que são uma alma boazinha…

 

Dizem que não há miséria,

Neste pobre Portugal,

Claro, dizem tanta léria…

Nada disto é real!
 

As casinhas aumentaram

A sopinha do barroso

Que há tantos anos criaram,

E, agora, é Grande o Barroso!

 

Por isso não há miséria,

Tanta fartura p’ro pobre,

Deixem-se lá dessas lérias...

Isto é uma causa Nobre!

              «»

                                
 
Da obra -A  MENSAGEM - Podemos mudar o mundo
Chiado Editora
Fonte de imagem - Google 

 

5 comentários:

  1. Bom dia querida amiga Zélia Chamusca...o poema adeja como uma pétala trazida pelo vento...brincam palavras orvalhadas de tormentos...ao pobre não resta mais que a esmola...poupem-nos, ao menos, à orgia do imediatismo...deixem-no comer a ceia dos caixotes de lixo...saúdo a oportunidade do seu poema, amiga...abraço fraterno...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, Querido Poeta, por seu comentário poético e sentido.É esta a triste realidade do mundo que nos rodeia, causada pelo egoismo humano, ou seja, pelos ditos humanos do Poder.ZCH





      Eliminar
  2. Um pobre precisa de comer todos os dias, mas nem sempre os da caridadezinha se lembram dessa realidade.
    Porém, hoje temos um governo que não se esquece dos inactivos, sejam idosos ou doentes ou deficientes. Procura ver-se livre de tal preso nas contas do Estado. A eutanásia avança com precaução: dificultam o acesso aos cuidados de saúde, cortam nas pensões, e, a pouco e pouco a morte natural pela fome pela doença ou provocada pela violência doméstica ou pelo suicídio, vai cumprindo o papel que o Governo lhe entrega.

    É bom que se faça as pessoas raciocinar sobre este tema.

    Parabéns pela poesia e pela sua luta pelo bem social

    Beijo
    João.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ilustre Amigo, A. João Soares,
      Vou dizer-lhe um segredo, aqui, publicamente.
      Como vê este poema foi postado, aqui, em 11-11-2012 e sabe quem foi a minha Musa Inspiradora? A Srª. Junot que disse que não havia fome em Portugal. Lembra-se?
      Fiquei tão indignada que escrevi isto.
      Reeditei no Face e no Google+, há pouco, porque li o artigo, da RR Renascença com o título:
      Objectivo de reduzir a pobreza "não está a ser levado a sério"

      Incríveis estes jornalistas! Não?

      Pois, Ilustre Amigo toda a Europa à exceção da Alemanha está a cumprir a finalidade - empobrecer a cada passo. Interessa...
      Compete-nos não cruzarmos os braços.
      Não nos deixemos morrer. Antes de nós irá morrer esta política!
      Muito grata por seu incentivante comentário.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  3. Senhora Janot desculpe a troca de nome...
    ZCH

    ResponderEliminar