sexta-feira, 31 de agosto de 2012

MAL EPIDÉMICO - Poema RAP

                                                     
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
MAL EPIDÉMICO - Poema RAP
                                                     Zélia Chamusca


 
Este mal  é epidémico,
Ele tornou-se pandémico,
Deflagrou por todo o lado,
Neste estado malfadado,
Grassa pelo mundo inteiro
Comandado por dinheiro,
Onde impera a corrupção
Aqui e em qualquer nação,
No político continente,
À corrupção atinente,
O desemprego a aumentar,
As fábricas a fechar,
Para outros lados mudar,
Onde a mão de obra barata,
A criança assim trata,
Dá para encher que se farta.
 
Há por aí tanto vândalo,
Escândalo e mais escândalo
E o corrupto sempre impune
E nunca ninguém o pune.
 
Outrora nestes países
Viviam gentes felizes
Antes destes desalmados
Que de tanto insaciados
Comem tudo, tudo comem,
Até o pobre consomem
Tonando-o ainda mais pobre,
Num país outrora nobre,
Onde não existem mais,
Valores, então, morais,
Uma nação humanitária,
De gente tão solidária
E, agora a corrupção
Como em qualquer nação,
Deflagra em dimensão
Regressando o esclavagismo,
Que até lembra o nazismo.
 
Não há lei, não há vergonha,
Nem força que se lhe  oponha,
Não há dever nem direito,
Nem sequer já há respeito.
Trabalhador é explorado
E o pobre reformado
Para a margem é mandado.
 
Nem dever, nem dever ser
Há em quem tomou o poder,
A não ser enriquecer,
Os países a empobrecer
E o pobre a sofrer,
E o reformado roubado,
E o trabalhador explorado,
Num mundo desgovernado!
                «»

Da obra - A MENSAGEM - Podemos Mudar o Mundo
Chiado Editora

Poema de -  Zélia Chamusca               
Fonte de Imagem - Google

4 comentários:

  1. Já te disse o quanto gostei e admirei esses teus versos?
    Bastante criativo. Faltou só a melodia.
    Bjsss

    ResponderEliminar
  2. Pois, se alguém quiser aproveitar a letra, diga-me e desde já autorizo a que seja musicado e cantado. Mas, condição única: quero dançar Hip hop.
    Beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito. Até se pode imaginar o ritmo da revolta destas palavras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chamei a este poema MAL EPIDÉMICO - poema RAP, porque as palavras saíram sonantes lembrando este tipo de música.
      Fico feliz por estarmos em consonância.
      Grata, Adriano.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar