sábado, 2 de junho de 2012

PORQUE CHOREI?...

                                          



PORQUE CHOREI?...

Artigo de - Zélia Chamusca

Como sabeis, estão em Portugal os príncipes das Astúrias, mas, não é deles que vou falar-vos, não.
É que, é este o motivo porque ouvi o nosso Hino Nacional.
Todos nós já ouvimos imensas vezes o Hino Nacional.
Mas, hoje, ao ouvi-lo, eu chorei.
Nunca, o nosso Hino Nacional tocou, assim, a minha sensibilidade.
Nunca pertenci à Mocidade Portuguesa. Despertei na época da modernidade, da revolução de mentalidades e considero-me uma cidadã do mundo.
Há muitos anos que minha formação me sensibilizou para a abertura ao mundo.
Aprendi que todas as nações tendem a uma comunidade universal.
Hoje, nós estamos inseridos na Comunidade Europeia, mas, num outro contexto, somos parte duma globalização mundial.
Por tudo isto, não me sinto patriota.
Nasci em Portugal e é esta a circunstância que me define como portuguesa, mas, considero-me cidadã do mundo.
Todos nós somos e existimos numa comunidade global que, talvez, um dia se torne universal.

Por tudo isto me interroguei:
Porque chorei?
E, são tantos os motivos
Que, apenas, à tristeza e dor
São incentivos.
Tantos,
Tantos…
Que não vou descrever
Pois vos iríeis cansar
De ler.
E, tal como eu,
Haveis de conhecer.
Tantos…
Nós sabemos…

Concluindo:

O nosso Hino Nacional, símbolo duma nação, outrora uma GRANDE NAÇÃO, o nosso Hino Nacional, repito, fazia-me sentir inserida numa nação onde existia evolução, projeto para um futuro onde existiria igualdade, fraternidade, onde todos viveríamos em paz e felicidade.

Este projeto que sonhei foi gorado.

Foi por isso que chorei…

Para onde caminhamos, nesta Comunidade Europeia?

Chegaremos à Comunidade Universal em que me fizeram acreditar?

Deixo-vos minha reflexão.
          
                                  




   2012-06-02


Artigo de  - Zélia Chamusca
Fonte de Imagem - Google


2 comentários:

  1. Também eu por vezes me emociono a ouvir o hino nacional, apesar de não sentir o menor orgulho de minha nacionalidade. Costumo até dizer que não sou português, sou sintrense, e por azar Sintra está situado neste cantinho de terra muito mal frequentado. Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Estes seres, dito racionais, estes atuais, salvo raras exceções, só vieram a este paraíso para destruir...

    Grata por sua visita e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar