sexta-feira, 11 de maio de 2012

Voo Insustentável

                                             




                                       
Meu ser insaciável,
No voo insustentável,
Não encontrou
Espaço mensurável
Para poisar
E, caiu

Bateu,
Com impacto,
No gélido frio
Da psicológica luta
Na busca
Do Inacessível,
Da Luz
Inteligível
Que conduz
A vida,
A força de viver
E de ser.

Poema da obra - Pedaços do Meu Coração
Autor - Zélia Chamusca
Edições Vieira Silva

5 comentários:

  1. Nossa Zélia, que maravilha! A dura realidade de se viver.
    Parabéns minha amiga.
    Bjssssssss

    ResponderEliminar
  2. É mesmo assim, Mónica,
    Nós, por vezes, voamos alto e depois a queda é grande...
    Voamos na nossa fantasia esquecendo a realidade e até fugindo dela...
    Beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Alguém com tantas capacidades, apenas cai por momentos. Depois, sacode o pó e levanta de novo o voo, em busca dum novo "galho" mais confortável onde pousar, e construir um ninho que torne razoável a dureza de estar vivo. E decerto irá encontrar lugar de poiso que possa saciar essa sede de LUZ que já tem e que só falta conectar, de facto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Adriano, eu não irei em busca dum novo galho porque a luz que procuro ( ou não procuro) é inatingível.

      Não andou muito longe da metáfora do poema.

      Que homem sensível!...

      Já escrevi e postei aqui há pouco tempo um poema, interventivo, dizendo que a sensibilidade é a forma mais perfeita de inteligência.

      É o que falta aos nossos políticos - falta-lhes sensibilidade.

      Grata por sua presença.

      ZCH

      Eliminar
    2. O Adriano já não está entre nós como a maioria dos meus amigos verdadeiros. Mas estão e estarão sempre presentes no meu coração.

      Eliminar