domingo, 13 de maio de 2012

OH! PAIXÃO!




Oh! Paixão!
Que és sentimento
De pleno encantamento,
És arrebatamento,
Encanto do coração,
És fascínio,
És da vida a cor,
És o amor
Em todo o seu esplendor!...

És desejo,
És atração,
Fascinação,
Encanto,
Beleza,
E, és desejo insatisfeito
Dentro do meu peito...

Oh! Paixão!
És criatividade,
És busca,
E felicidade
Que encontras
Na beleza,
Em toda a natureza,
Na arte,
Sendo na vida
A melhor parte,
Na ciência
Em toda a sua abrangência,
No outro,
No sexo,
E, sobretudo,
No amor!...

Oh! Paixão!
Que também és tristeza,
És luto e dor,
Mas, Paixão,
Quero-te
E desejo-te
Como amor,
Beleza e cor
Que dás vida
À minha vida
Enchendo-a de esplendor!
                                               
              
 Poema de - Zélia Chamusca
 Fonte de imagem - Google 

6 comentários:

  1. Toda paixão tem seu encanto. Deslumbra coração e satisfaz sentimentos.
    Ricos versos descortinam nesse teu poema.
    Amei.
    Bjsssssss

    ResponderEliminar
  2. Mónica, tentei descrever a paixão nos seus diferentes conceitos e tonalidades da vida.
    Grata e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. A paixão será talvez a antecâmara do amor. Será o adubo que há-de alimentar o amor e consolidá-lo para quando a paixão se extinguir o amor permaneça firme para sempre. Beijinho talentosa poetisa e querida amiga.

    ResponderEliminar
  4. Olá meu Grande Poeta e Velho Amigo,Guilherme Duarte,
    Grata por seu comentário e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  5. Bela análise de um sentimento inovador, criativo, reconfortante. Aprendi
    que, em cada profissão ou actividade deve haver o «culto da excelência» o que é uma forma de paixão pelo rigor e pela beleza daquilo que se faz. Como o mundo seria mais harmonioso e encantador se houvesse paixão na nossa vida corrente!!! Como os Estados seriam melhor governados e as pessoas mais felizes!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A.João Soares, o sentimento da paixão não é inovador é comum no ser humano, simplesmente uns sentem-no dirigido a determinado objeto e outros a outro, ou seja, uns dirigem-no à arte, à cultura ao amor pelo próximo, ao bem, etc; outros dirigem o sentimento da paixão por si próprios levados pelo hedonismo no sentido egoísta de querer tudo só para si, o prazer amoral , a frieza em relação aos outros. Este último conceito predomina nos “Donos do Mundo”, como induz o que expressa no seu comentário.
      Muito grata por seu comentário,
      ZCH

      Eliminar