domingo, 13 de maio de 2012

OH! PAIXÃO!




Oh! Paixão!
Que és sentimento
De pleno encantamento,
És arrebatamento,
Encanto do coração,
És fascínio,
És da vida a cor,
És o amor
Em todo o seu esplendor!...

És desejo,
És atração,
Fascinação,
Encanto,
Beleza,
E, és desejo insatisfeito
Dentro do meu peito...

Oh! Paixão!
És criatividade,
És busca,
E felicidade
Que encontras
Na beleza,
Em toda a natureza,
Na arte,
Sendo na vida
A melhor parte,
Na ciência
Em toda a sua abrangência,
No outro,
No sexo,
E, sobretudo,
No amor!...

Oh! Paixão!
Que também és tristeza,
És luto e dor,
Mas, Paixão,
Quero-te
E desejo-te
Como amor,
Beleza e cor
Que dás vida
À minha vida
Enchendo-a de esplendor!
                                               
              
 Poema de - Zélia Chamusca
 Fonte de imagem - Google 

8 comentários:

  1. Toda paixão tem seu encanto. Deslumbra coração e satisfaz sentimentos.
    Ricos versos descortinam nesse teu poema.
    Amei.
    Bjsssssss

    ResponderEliminar
  2. Mónica, tentei descrever a paixão nos seus diferentes conceitos e tonalidades da vida.
    Grata e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. A paixão será talvez a antecâmara do amor. Será o adubo que há-de alimentar o amor e consolidá-lo para quando a paixão se extinguir o amor permaneça firme para sempre. Beijinho talentosa poetisa e querida amiga.

    ResponderEliminar
  4. Olá meu Grande Poeta e Velho Amigo,Guilherme Duarte,
    Grata por seu comentário e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  5. Bela análise de um sentimento inovador, criativo, reconfortante. Aprendi
    que, em cada profissão ou actividade deve haver o «culto da excelência» o que é uma forma de paixão pelo rigor e pela beleza daquilo que se faz. Como o mundo seria mais harmonioso e encantador se houvesse paixão na nossa vida corrente!!! Como os Estados seriam melhor governados e as pessoas mais felizes!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A.João Soares, o sentimento da paixão não é inovador é comum no ser humano, simplesmente uns sentem-no dirigido a determinado objeto e outros a outro, ou seja, uns dirigem-no à arte, à cultura ao amor pelo próximo, ao bem, etc; outros dirigem o sentimento da paixão por si próprios levados pelo hedonismo no sentido egoísta de querer tudo só para si, o prazer amoral , a frieza em relação aos outros. Este último conceito predomina nos “Donos do Mundo”, como induz o que expressa no seu comentário.
      Muito grata por seu comentário,
      ZCH

      Eliminar
  6. Levado pelo doce encanto das palavras vindas de um coração de um ser fascinante, meu pensamento se queda, por instantes, para sentir o fascínio, a beleza e o perfume deste poema, verdadeira obra de arte quase endeusada.
    Parabéns sempre reconhecida amiga.Prosa

    ResponderEliminar
  7. Olá, António Pais da Rosa, Ilustre Amigo e Grande Poeta,
    É uma surpresa agradável e fascinante o seu poético comentário que agradeço e que muito enriquece este espaço.
    Saudades,
    ZCH

    ResponderEliminar