quarta-feira, 11 de abril de 2012

ESTRELA CADENTE



                                                                                                                               
                                                
Estrela cadente
Brilhando no céu
Como feixe de luz
Que encanta e seduz,
Diz-me se viste
Meu Amor
Que é só meu?...
Ele é amado de Deus
Está perto de ti,
Aí,
Está contigo...

Diz-lhe,
Que sem ele
Viver não consigo
E que o espero
Desejo e quero
Num abraço forte,
Apertado,
Meigo e terno,
De meu único e eterno
Sempre
Muito amado!...

               «»



                                          

Poema e formatação de - Zélia Chamusca

Fonte de  Imagem - Google


8 comentários:

  1. Que lindo poema. Mais um! A estrela cadente vai encontrá-lo e vai trazê-lo até si. Um beijinho querida amiga.

    ResponderEliminar
  2. Claro, é prciso ter fé...

    Grata e beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. A minha irreverência leva-me a dizer que em vez de estrela cadente devia chamar-se estrela viajante, ou andante. Não percebo o que significa no espaço CAIR. Isso só pode ter significado no campo de gravidade de um astro.
    É que o pedido da eloquente poetisa Zélia poderá mais facilmente ser satisfeito por uma estrela viajante do que por um meteorito que «cai» e se parte em cacos!

    Desculpe estas minhas manias de estar sempre noutra!!!
    Beijo
    João

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Ilustre Amigo, A. João Soares,

      Tem razão na sua perfeita análise que, aqui, deixa em breve comentário.

      É uma análise científica, fundamentada na astrologia. Efetivamente não faz qualquer sentido invocar um meteorito em queda.

      Só lembraria a loucos poetas...

      Não faça caso do que digo neste poema porque num outro poderei dizer o inverso.

      É a incongruência poética...

      Tem muita razão, Ilustre amigo, tenha cautela porque este mal é contagioso, mas, não se assuste porque, rapidamente, passará a ser contagiante!

      Parece-me que já está a ficar nesta segunda fase... ou não?

      Grata por seu interessante, incentivante e contagiante comentário!

      Beijinho,

      ZCH

      Eliminar
  4. Amiga Drª Zéllia

    Bonito e ternurento poema
    È de fê (ou de coragem ?) manterse fiel a um eterno amor?
    Coisa bem rara numa época em que poucos se mantém fieis a valores morais e espirituais
    Desejo que a sua espera pelo "tal" amor seja devidamente compensada cá ou lá
    Um grande abraço do
    Manuel Augusto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aleluia!

      Ilustre Amigo Manuel Augusto!

      O que tentei traduzir neste poema, não é, nem fé, nem coragem, é, tão somente , amor!

      É uma feliz surpresa este seu comentário, visitando o espaço que construí para todos os que nele quiserem entrar.

      Volte, que será para mim uma imensa felicidade!

      Grata e beijinho,

      ZCH

      Eliminar
  5. Querida amizade.

    De certo, as estrelas atendem a um pedido de amor.
    Doces são teus versos a desabrochar em tão belo poema.
    Parabéns, pela criação.
    Bjsss, no coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha Querida, Monica Pamplona, grata por seu tão agradável comentário.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar