terça-feira, 27 de março de 2012

MEU SENTIMENTO





MEU SENTIMENTO

Poema de Zélia Chamusca



Meu sentimento

Estava aprisionado

E lentamente,

Gradualmente,

Gota a gota,

Até à consumação

Num jacto,

Em que, inesperadamente,

Se deu uma explosão,

Ele se tornou libertado!...



Agora, libertado

Se expande

E difunde

No todo…



Ultrapassa o limitado

 Factual estado

Imanente,

A particularidade,

Olhando-a como pintura

Naïf, ingénua…

Que embora bela,

Sua clarividente

Postura

Está para além

Duma visão transcendente

Numa universalidade

Na multiplicidade

Do Universo,

Que, em cada meu verso

Transparece – Meu sentimento.


                            




2 comentários:

  1. Os sentimentos não podem, nem devem, ficar para sempre aprisionados. Há-de chegar sempre a hora em que explodem e se libertam e não é mais possível escondê-los. Eles estarão ecvidentes quanto mais não seja nos versos de um poema.
    Beijinho querida amiga e colega.

    ResponderEliminar
  2. Olá Poeta Guilherme Duarte!

    É verdade o que diz.

    Grata e beijinho,

    ZCH

    ResponderEliminar