sábado, 31 de março de 2012

CHORO SEM LÁGRIMAS


                                                                       
CHORO SEM LÁGRIMAS

Poema de Zélia Chamusca

De tão tristes estarem
E tanto chorarem
Meus olhos secaram,
E, sem lágrimas ficaram.

É choro sem lágrimas
Em meus olhos secos
Pela dor,
Espalhada na escuridão
Da tristeza
Que invadiu meu coração,
Meu corpo,
Minha alma,
Meu espírito
E todo o meu ser
Que chora de saudades
Por não te ver,
Não te sentir,
Não te ouvir.

Meus olhos sem lágrimas
Choram…
Secaram…

Chora meu corpo,
Minha alma,
Meu espírito,
Chora todo o meu ser,
Esperando um dia
Nosso Supremo Encontro
Num Único Ser!...
      


Poema de - CHAMUSCA, Zélia
Reeditado

Fonte de imagem - Google

4 comentários:

  1. Penso que a poetisa Zélia Chamusca pretendeu homenageara memória da sua mãe, e fê-lo com um poema magnífico, peno de sentir e de saudade mas com a esperança do reencontro definitivo. Comovi-me. Um beijinho minha querida amiga. Estivemos tantos anos lado a lado, mas o trabalho nunca nos deixou perceber o interior de cada um de nós. Estamos a conseguir agora, tantos anos mais tarde. Um beijinho carregadinho de amizade e carinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata meu ex-colega, amigo e Grande Poeta Guilherme Duarte, por seu carinhoso comentário e beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  2. È lindo o poema, semelhante ao clamor de alma !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carlos Antunes, grata pelo seu lindo comentário.
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar