quarta-feira, 7 de março de 2012

APOLOGIA À MULHER SOLITÁRIA



Mulher,
Que vives sozinha
Às vezes por opção,
Outras não,
Mas, da vida, a condição.

Mulher,
Que nunca estás só,
Tens amigos reais,
E virtuais,
Que tantas vezes
Se tornam mais reais
Que os reais.


Mulher,
Que vives sozinha
Não sentes a solidão,
Vives a solitude
Que tomas como atitude
Em que te enalteces,
Enobreces
Em permanente elevação
De enriquecimento de alma,
Quando contigo dialogas
Em pensamento
E reflexão,
Criação,
Numa autêntica oração
De paz interior
E calma,
Elevação que acalma.

Neste diálogo
De tuas palavras,
Sem palavras,
Brota o pensamento,
Que em cada momento
Se torna vida,
Alegria,
Fantasia,
Magia…

É teu diálogo com a alma,
É tua oração,
Que faz de tua vida
Sentida e vivida
Constante criação,
Onde encontras tua missão!...


Mulher,
Em ti, predomina
A força
Que te anima
Que dá vida
À tua vida
Singular,
Na tua forma única de amor
E de amar
No sentido de amor
Verdadeiro,
Num todo
Pleno, Inteiro,
Amor total,
Universal!


Mulher,
Que vives sozinha,
És solitária
Mas nunca estás só,
És no mundo, solidária
E tens a plenitude
Em solitude
Que faz de ti
Uma verdadeira heroína!
             

             







Poema de - Zélia Chamusca

Dedicado à mulher no Dia 8 de Março, Dia Internacional da Mulher

Reditado

4 comentários:

  1. Associo-me com um dia de atraso ao dia da obra-prima da Criação.
    Após sete dias de intenso labor


    O Artista Divino, cansado,


    Parou.


    Olhou para a obra que tinha acabado


    Com tanto amor,


    E gostou do que viu.


    Sorriu,


    E depois descansou.


    Quando acordou, maravilhado


    Com a beleza


    Da natureza


    Que tinha criado,


    Pensou:


    Falta um ser


    Capaz de amar


    E de cuidar


    Deste paraíso que lhe vou oferecer.


    Então, duma rocha, resistente e dura


    Esculpiu o homem.


    Deu-lhe vida, força e vigor,


    E ficou satisfeito.


    Mas o Criador,


    Queria ainda melhor.


    Imaginou um ser delicado,


    Corajoso e perfeito.


    Voltou ao trabalho,


    Colheu as mais belas flores que existiam na terra,


    Amassou-as, e com elas moldou um corpo de anjo.
    Deu-lhe ternura e encanto,


    E sedução também.


    Ficou fascinado com aquela figura elegante e airosa,


    Mas pareceu-lhe frágil.


    Para compensar a fraqueza aparente,


    Fê-la ainda, mais inteligente e mais corajosa.


    O Criador tinha acabado de compor um poema,


    Um poema Divino, tão belo, que nenhum poeta,


    No futuro, conseguiria igualar.
    Deslumbrado, decidiu confiar-lhe


    Uma nobre missão:


    Seria esposa, mas sobretudo, iria ser mãe.


    Foi assim que nasceu a mulher,


    Um poema de Deus.


    A obra-prima da Criação.

    ResponderEliminar
  2. Olá Poeta Guilherme Duarte,
    Grata por seu lindo poema de homenagem à mulher e os meus parabéns pela bela obra poética!
    Beijinho,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Olá, Querido Amigo, Colega e Grande Poeta, Guilherme Duarte,
    Porque me chamou a atenção o número de visitas a este meu poema, resolvi relê-lo.
    Foi quando vi seu extraordinário comentário um sublime poema dedicado à mulher.
    Não me lembrava. É tanta a poesia... a Musa não me dá tréguas.
    Uma maravilha seu poema!
    Reitero minhas felicitações e, muito grata,
    ZCH

    ResponderEliminar
  4. O Guilherme Duarte já não está entre nós mas estará sempre no meu coração e um dia encontar-nos-emos...
    Até lá, Duarte,
    ZCH

    ResponderEliminar