quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Quero ser pedra dura






















Quero ser pedra dura, gélida e fria.
Quero afastar da natureza a ironia;
Não quero sentir, não me quero envolver,
Quero encontrar outra forma de viver.

Não quero mais sofrer esta ansiedade
Que atormenta minha alma de saudade.
Quero entrar em apática letargia;
Não quero mais da vida a poesia…

É profundo meu sentir nesta paixão.
Não quero mais lembrar, quero esquecer;
Não quero mais de amor poder sofrer.

Vivo esta paradoxal conturbação,
Que os beijos que me dás já foram meus,
Quão semelhante a ti eu sou, graças a Deus!...
                         «»

Poema de - Zélia Chamusca
Da obra - PEDAÇOS DO MEU CORAÇÃO  
Edições Vieira da Silva

 

2 comentários:

  1. Um momento de desânimo tão bem descrito neste soneto. Um momento em que apetece desistir. Outros momentos se sefuirão em que a esperança renasce e o amor regressa em toda a sua plenitude. Graças a Deus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo e Poeta Guilherme Duarte,

      O amor existe sempre em plenitude,na minha sensibilidade e imaginação. Apenas...

      Grata por ter apreciado meu poema e beijinho,
      ZCH

      Eliminar