sábado, 21 de janeiro de 2012

A LINGUAGEM DO AMOR











Eu não sei falar de amor…

O amor é inefável,

Inexprimível por palavras,

É inexplicável…
 

Eu não sei falar de amor…

É ele que por mim fala

Pelo instrumento do meu corpo,

Dos meus olhos, da minha boca,

Dos meus lábios, do meu sexo.

Ele fala através de toda a complexidade de meu ser.

Ele me domina e só ele diz o que sabe dizer.



Em todo o meu ser

Ele se manifesta,

Me absorve todo o querer,

E me fascina,

Numa ânsia de plenitude e realização,

De comunhão,

Numa dialética de profusão

De sentimentos,

De emoções,

De paixão!...


Eu não sei falar de amor…
Ele se manifesta em mim transmitindo

A inexplicabilidade da existência

De que, ele próprio – o Amor – é:

Princípio, meio e fim

De tudo, é Essência…



Eu não sei falar de amor…

Só ele o sabe dizer

Através de todo o meu ser,

Numa expressão elevada à paroxia

E manifestação exacerbada,

Do inconsciente.


Eu não sei falar de amor…

É ele que fala por si

Na mais pura das linguagens

Do ser animal, do ser humano e de toda a criação,

A própria linguagem do - Amor.
                       «»

                                    Zélia Chamusca



Poema de - CHAMUSCA, Zélia 
IGAC - Inspeção Geral das Atividades Culturais
Registo nº. 6790/2011

Fonte de Imagem - Google



8 comentários:

  1. "Eu não sei falar de amor". Ainda bem, porque o amor não são palavras, é sentimento. O amor não se apregoa, vive-se. Não procuremos uma razão para o amor, ele aparece e é tudo.É inexplicável como diz o poema, é também, muitas vezes irracional porque contraria toda a razão e muitas vezes todas as conveniências. O amor? Não sei dizer o que é só sei que um sentimento maravilhoso que deve ser tratado com mil cuidados. Parabéns poetisa por mais um momento sublime. Um beijo carregadinho de amizade..

    ResponderEliminar
  2. Olá Duarte,
    Ainda não tinha visto este seu agradável e incentivante comentário, como sempre.
    É como dizemos... o amor é assim... inexplicável.
    Pena é que vai senso um sentimento raro e tão deturpado.
    Grata e muito amor para si,
    ZCH

    ResponderEliminar
  3. Ah o amor... Expressão do poeta, delícia, azorrague, canção do amanhecer.
    Ah o amor... Aquilo que sentimos e tentamos traduzir, dizer.
    Ah o amor... Lindamente cantado por você.

    Parabéns !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um belo comentário expresso na linguagem de um Grande Poeta, Paolo Lim!

      É um prazer a sua presença neste espaço.

      Grata e beijinho,

      ZCH

      Eliminar
  4. O amor não se explica, sente-se.Belissimo poema. Um beijo amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, Minha Querida Rosaria, pela sua presença e comentário
      Beijinho,
      ZCH

      Eliminar
  5. Sim cara amiga. O amor não se explica. Ou se sente ou não. O "retrato" que aqui faz do amor toca as pessoas mais sensíveis. Amor, paixão, como é bom vive-las em toda a sua plenitude. Abraço fraterno do MPF

    ResponderEliminar
  6. Neca Ferreira, é sempre agradável saber que há quem lê e aprecia o que escrevo.
    Muito grata,
    ZCH

    ResponderEliminar