quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Lágrimas secas


 

São lágrimas secas

No rosto espelhadas.

Correm entre sulcos

Ao peito levadas.

 

De sabor a mar,

Lágrimas salgadas

Que por entre as ondas

Correm enlutadas.

 

Com  tristeza e dor,

No vazio perdidas,

Vagueando errantes...

Lágrimas sentidas...

 

Lágrimas de sangue

Que só eu as sinto,

Pelo outono secas

Num inverno faminto

 

De luz e calor,

No frio sepulcral,

Tétrico, vazio,

Onde há tanto mal!

               «»

                          Zélia Chamusca

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Há sempre um renovar em cada dia



 

Sou aquela que no mundo de ninguém

passeia pelo sol, luz a brilhar,

em rodopiar sempre num vai e vem

na vida que passa e nunca parar!

 

Sou nuvem leve que se esvai no vento,

gota de água em salpicos fragmentada

saindo do olhar  num breve lamento

como se fosse pedaço de nada…

 

O Nada é tudo na vida levada,

é o renascer continuo da alvorada,

é a luz dinâmica da energia!

 

Sou aquela que na manhã nevoenta

se levanta e a certeza acalenta

que há sempre um renascer em cada dia!

                               «»
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem -Google
 


 

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

O que é a terceira idade?


 
 
A terceira idade é pobreza;

não tem idade a nobreza…

Há velhos, velhos pobres

e há outros que, embora velhos,

nunca são velhos,

são os “gurus” do saber,

que aparecem em todo o lado…

 

Estes são os seniores do passado…

São senhores, são doutores…

 

Só os pobres envelhecem,

e, são marginalizados,

espoliados, maltratados…

São os trapos da sociedade!

 

Os ricos não envelhecem…

Aparecem por todo o lado

com o corpo enrugado,

mas, repletos de atenção,

por todos bajulados,

prestigiados…

São seniores sabedores!

 

O que é a terceira idade?

 

Porque é que a sociedade

se aproveita da idade

só do pobre, negativamente?

 

O que é a terceira idade?

 

A discriminação é tal,

de tal forma discriminatória,

tão ilusória…

Que não passa de falsa oratória!

 

A terceira idade é o velho

que joga às cartas no jardim;

A velhinha que pede esmola

e leva na mão a sacola

com a côdea de pão

que sobrou da refeição

fornecida pela caridade

da injustiça da sociedade!

 

Esta velhinha terá sessenta anos.

É velha enrugada, esfarrapada,

pela sociedade maltratada

e, marginalizada…

 

E os que dormem na rua?

Que são jovens, mas velhos,

jovens velhos,

ignorados pela crueldade

da cega sociedade,

cruel, dura e desumana,

de mentalidade insana,

que egoistamente nega

ao que cai na marginalidade,

toda a possibilidade

de viver com dignidade!

 

Contudo há velhos, velhos ainda mais,

de oitenta anos e noventa e tais,

ricos poderosos famosos,

no mundo gloriosos!...

Estes, nunca atingem a terceira idade…

São os seniores da sociedade,

enrugados, bem vestidos

e bem tratados,

sabedores afamados!

 

Estes não têm idade!

Estão em multinacionais

que gerem, em lugares de cúpula

e desdobrando-se em tantos mais…

São mestres, que ganham milhões

 ficando mais pobres

 os pobres velhos, sem tostões…

 

O que é a terceira idade?

                                                             «»
                                                                          Zélia Chamusca

 

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Toda a natureza em cinzas jaz!

 



Continua a triste imoralidade

Nas chamas do inferno já ressequida!

Não há na Terra tranquilidade

Porque a sensatez já foi esquecida!

 

Por todo o lado paira a destruição

Feita p’los demónios vindos do inferno!

Da natureza e de toda a criação

Restam as cinzas p’lo mal sempiterno!

 

Toda a natureza queimada jaz,

No mortífero aquecimento global,

Pela destruição que o homem é capaz!

 

Não há responsáveis; é maldição…

Quem causa na Terra, assim, tanto mal?

Almas penadas… Não têm perdão!

                             «»
 
Poema de -Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

domingo, 15 de julho de 2018

Perdi o sorriso



 

Perdi o sorriso,

que alguém amou,

na tristeza e dor

que em mim ficou.

 

Do nada que resta

do que fui outrora,

lábios de doçura

de sabor a amora…

 

Fechados e tristes

no amargo do fel,

secos, ressequidos,

perderam o mel…

 

Por vezes assustam

e sei bem porquê;

quem foge de mim

beleza não vê.

 

Sumiu-se na alma

bem interiorizada

e o espírito aberto

aguarda a chamada

 

Onde tudo é belo

e não há mais dor

mas paz e alegria,

em tudo há amor!

             «»

                  Zélia Chamusca

                      

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Afastas de mim Meu Amor, também!...


 

Oh! Morte cruel, dura e tenebrosa!

Tão cedo levaste meu maior bem!

És tristeza e dor, cruel, horrorosa!

Afastas de mim Meu Amor, também!...

 

Tapas o sol da minha luz já morta

Levando na dor a alma amortalhada!

Tanto sofrimento o corpo suporta

Até ao pó da vida incinerada!

 

Nesta negridão de tristeza e dor,

De apatia, de nada, de estupor,

Passa breve a vida… Tão cruel ela é…

 

Escondeu-se o sol, vesti-me de luto,

E, no silêncio total, absoluto,

Ergo-me, inquebrável na força, em pé!

                            «»

                              
Poema de - Zélia Chamusca
Fonte de imagem - Google

terça-feira, 12 de junho de 2018

Não me ames; foge de mim!

 

 
Não me ames,

Foge de mim!

Porque os que amo

Chegam ao fim…

 

Não me ames,

Foge de mim!

Foge depressa!

A vida é assim…

 

Não me ames,

Ouve o clarim!

Em canto fúnebre,

Trompa em marfim…

 

Eu amo-te!

E, vais partir…

Afasta-te

Que vais sentir

 

Próximo o fim.

Foge, foge,

Foge depressa!

Foge de mim!
                                         «»        
                                                    Zélia Chamusca